O que significa Storytelling

O que significa Storytelling ?

Em um contexto de marketing, o storytelling é um método de comunicação que usa a história narrativa para desesperar emoções e vender um produto.

O que significa storytelling?

O storytelling é uma forma de comunicação que consiste em contar histórias com o objetivo de vender um produto ou construir uma imagem de marca. O objetivo desta estratégia é jogar com emoções dos consumidores para que comprem ou consumam, mas também que se memorize facilmente.

Trata-se de uma estrutura narrativa. Pode assumir a forma de histórias, anedotas, argumentos ou até mesmo um cenário. Assim, servir para captar a atenção do consumidor, para transmitir uma mensagem que desperte emoção ou para agregar valor à imagem de uma marca.

A narrativa pode apresentar histórias reais, mitos ou mesmo contos imaginários sobre um produto, serviço ou marca.

 

Como funciona?

Em vez de destacar os argumentos de vendas de um produto, o storytelling depende de uma história que apela à emoção. Pode ser uma história triste e feliz ou assustadora.

As emoções são muito poderosas para influenciar o comportamento, para memorizar ou reter uma mensagem, mas também para fazer as pessoas quererem agir.

A emoção provocada pela narrativa também permite dar uma nova forma de apresentar o produto ou marca. Os ficar consumidores mais apegados a essa emoção e se identificarão muito mais facilmente com a marca ou produto.

Uso de contar histórias

A narrativa pode ser usada em uma base ad hoc para um ponto de publicidade ou permanentemente para construir ou obter imagem de marca. A longo prazo, uma narração de histórias de ajuda a fidelizar o cliente.

Sem marketing de luxo, a narração de histórias (storytelling) é usada para invejar produtos de luxo e grandes marcas. Ele conta histórias fantásticas e encantadoras para seduzir o alvo.

Contar histórias também é uma boa técnica para escrever o conteúdo do site. É eficaz para escrever blogs, páginas de produtos, boletins informativos ou até mesmo e-mails.

Em algumas empresas, a narração de histórias também é usada para fortalecer a comunicação interna. Na política, o storytelling é uma ótima forma de comunicação usada em campanhas.

Para que a magia da narrativa funcione, é importante conhecer o seu público-alvo, encontrar uma história certa para contar e aperfeiçoar uma encenação.

Crie um contador de histórias

Para moldar uma comunicação narrativa, os comunicadores usam todas as fontes da estrutura da narrativa. É sobre construir uma lenda, um conto de fadas. A narração de histórias dá o extraordinário.

Para captar a atenção dos consumidores, a comunicação narrativa baseada-se nos fatos mais emblemáticos de uma marca ou empresa.

Implementar tal narrativa requer conhecimento profissional. Na verdade, muitas técnicas de narração de estatísticas são necessárias para chegar a uma estrutura clara e impactante que também pode fazer parte de uma estratégia de comunicação de longo prazo.

A construção de uma narrativa requer uma reflexão real sobre o (s) alvo (s) e a definição de uma pessoa precisa e completa.

O que significa Storytelling ? Uma nova forma de comunicação

O marketing hoje é centrado no cliente. Já não se trata de promover um produto. É o consumidor que é diretamente valorizado e encenado. A narrativa é sutilmente construída pela mistura da história da empresa com a de seus clientes, suas necessidades e expectativas.

Exemplo de narrativa de marca

Para visualizar o que é contar histórias, aqui estão alguns exemplos de campanhas realizadas por marcas.

Maçã

A marca da Apple é provavelmente o melhor exemplo de narrativa de grandes marcas. Toda a comunicação da empresa é baseada neste método. Seja para contar como origens da marca em uma pequena garagem na Califórnia, seu sucesso quando quase desapareceu, a morte de Steve Jobs etc.

As campanhas publicitárias também se baseiam na narração de histórias, retratando os produtos da marca na vida real de seus usuários. Viajar, ficar na fila do cinema, dançar etc.

Chanel

Rainha da narrativa, uma marca de luxo francesa especializada esse método de comunicação por meio de diversos meios de comunicação. A publicidade, que a cada vez conta uma história, mas também a encenação da própria lenda da marca.

Para isso, ela produziu uma série na web que retrata a vida de seu criador, Coco Chanel.

O que significa Storytelling

Infinidade de mídias

Hoje, a mídia se multiplica e as possibilidades de implementação da narrativa são absolutamente infinitas. Ele pode passar por filmes de design de movimento, por exemplo, elemento gráfico, animação 3D, etc.

Os canais de distribuição também são diversos, desde redes sociais a plataformas de vídeo online como YouTube ou Dailymotion, sites institucionais, etc.

As marcas americanas foram pioneiras no uso de storytelling na produção de conteúdo, notando a fidelização de novos prospectos possibilitada por essa técnica e o impacto significativo no faturamento de suas empresas.

Esse retorno do investimento permite que as empresas que utilizam criem uma dinâmica de disrupção, atender novos clientes em potencial.

O público-alvo, após assistir à narrativa, ficará sensibilizado com a história da empresa e, ficará, ficará mais apegado a ela.

Usar o storytelling permitirá que você melhore a imagem da marca da sua empresa, aproxime-a de seus clientes potenciais e mudará o lado impessoal da estratégia de comunicação por meio do marketing tradicional.

Com a transformação digital, jogando a carta da proximidade, é natural que cada vez mais prospectos passem a se interessar pelos produtos / serviços oferecidos.

Como criar storytelling para o seu negócio?

A narrativa pode ser facilmente incluído em sua estratégia de marketing digital.

O desenvolvimento de uma estratégia de marketing digital permitirá que você se destaque de seus concorrentes.

Para ter sucesso em sua estratégia, pode ser virtuoso investir em uma estratégia de marketing de entrada (inbound). Esta estratégia de web marketing ou marketing digital visa atrair o potencial cliente através da criação de conteúdos digitais e atrativos, aqui através da narração de histórias.

Aqui estão algumas ideias para aplicar a narrativa como uma alavanca de marketing na web, quando você precisa definir uma estratégia, a fim de obter um conteúdo de qualidade:

Apresentação da sua empresa

Quando um cliente visita seu site, ele inevitavelmente encontrará uma apresentação de sua empresa.

Os casos dos casos, essa comunicação corporativa é um discurso padronizado e impessoal, contendo muitas fórmulas e muito pouca contextualização.

Toda essa apresentação tradicional costuma ter um efeito soporífero, que poucos novos clientes em potencial lerão até o fim. Esse detalhe é um forte sinal que deve ser levado em consideração pelos empresários, pois corre o risco de não cumprir como metas definidas em sua estratégia.

Ter um posicionamento moderno ajuda a impulsionar o crescimento das vendas da empresa e atingir seus objetivos.

É aqui que entra a narração de histórias, como uma solução para este problema!

Ao contar uma história sobre o seu negócio, seus clientes em potencial irão descobrir de uma forma mais atraente, moderna e divertida.

Não hesite em definir o cenário neste vídeo, para contar anedotas relacionadas ao seu negócio, um fim de entreter os clientes em potencial e usar um tom pessoal.

Lembre-se de que são os pequenos detalhes que costumam fazer história e atrair clientes em potencial, então você também pode incorporá-los à sua linha editorial.

Esta primeira transformação uma imagem muito mais agradável e simpática à sua empresa.

A digitalização de nossos padrões de consumo dá suporte ao uso de narração de histórias por parte das empresas, que deve agradar aos prospects que consomem nos sites. Eles então podem visualizar seus vídeos, fotos e textos em seus smartphones ou tablets.

O que significa Storytelling

Descrição de seus produtos ou serviços

Da mesma forma, seus prospects não querem um texto proibitivo, descrevendo todos os produtos ou serviços oferecidos por sua empresa.

Eles vão preferir sonhar, se surpreender ou até rir! Sinta emoções positivas em relação ao seu vídeo e, portanto, ao seu negócio.

As marcas que são uma foto embelezada com uma história sobre o bem / serviço oferecido têm mais sucesso porque sabem chamar a atenção de forma engenhosa e inovadora.

Se você possui fichas de produtos, cuide de suas imagens, dando elementos técnicos relevantes como peso, preço, dimensões, estoque, etc. mas se você acidentalmente se esquece de declarar como vantagens de adquirir o bem ou serviço, está cometendo um grande erro.

O uso de longas descrições permitirá que você exponha a utilidade do produto, mas também em que contexto você pode constar-lo, o que ele pode adicionar à vida diária do cliente em potencial, etc.

A partir do momento em que você deixa a descrição para trazer ao público-alvo novas ideias para uso, você fortalece seu potencial de engajamento.

Acrescentemos que a semântica leve no cerne do algoritmo Google muito popular, representa uma vantagem real em termos de otimização para a referência natural do seu produto no motor de pesquisa, quando os seus novos potenciais clientes preenchimento de palavras-chave (Adwords).

É importante ter em consideração os KPIs (Key Performance Indication), os principais indicadores de desempenho, que permitem uma marca gerir de forma inteligente a sua campanha de marketing digital.

Usar essas alavancas digitais é uma oportunidade de desenvolver sua visibilidade e criar conteúdo inteligente.

Promover seus produtos ou marca

Em vez de se contentar com um anúncio simples, por que não ir para uma série de animação na web?

Isso despertaria o espanto de seus clientes em potencial, que não estarei acostumados com isso e que desejarão saber mais.

A montagem dos episódios permite que a história seja dividida em vários vídeos para não ficar muito soporativa, prendendo a atenção por mais tempo. Também possibilita atrair o cliente potencial com muito mais frequência e, então, maximizar a possibilidade de consumo.

Não perca o objetivo, o conteúdo é rei!

Ao final de cada episódio, você pode inserir nele informações comerciais para promover seus produtos ou sua marca.

Você também pode colocar um concurso lá que ajudará a promover a marca e seus produtos, o que também ajudará a desenvolver sua visibilidade, gerando tráfego em seu site. Essa estratégia é chamada em marketing de conteúdo de marca.

É importante apresentado por uma estratégia digital clara. Com o aparecimento de pessoas que saberão estar perto do consumidor, com momentos de humor e fantasia, tornando o vídeo mais atraente e pessoal.

Desperte a emoção para chamar atenção

Ao criar links, como marcas tentam reter os consumidores.

Apesar da pluralidade de perfis formados por prospectos, todos nós, de forma, guardamos a alma de uma criança. Sentimo-nos mais facilmente atraídos por contar uma história porque ela nos leva às emoções e saberemos ser mais atraentes.

Durante uma narrativa, cria-se uma relação próxima, quase íntima, entre o público-alvo e a empresa. Esse relacionamento pode ser uma possibilidade de fidelização do prospecto por parte da empresa.

O que significa Storytelling

Organize-se para um Storytelling

É importante preparar o conteúdo da narrativa, de forma a não perder o objetivo principal, que é fidelizar o cliente potencial.

Para isso, parece imprescindível coletar o máximo de informações possível sobre os clientes em potencial, para definir sua estratégia de conteúdo, sua estratégia de internet.

Crie uma comunidade real

Ao comparar o conteúdo escrito internamente com o escrito por seus visitantes e novos clientes, você contribui para escrever conteúdo sobre sua empresa que terá o efeito desejado.

Você também pode recorrer a influenciadores para estabelecer sua estratégia de comunicação digital, eles vão falar sobre seu projeto e animar sua presença em canais de comunicação como as redes sociais.

Determine a mídia na qual você trabalhará

O uso de mídias sociais, como blogs, pode ser benéfico para o seu negócio. Ao postar blogs para contar a história da sua empresa, você gera interação em torno do seu projeto por meio da mídia social. Essa interação ajuda a desenvolver sua notoriedade.

Redes sociais como Facebook, Twitter, Instagram, etc. pode desenvolver e atrair públicos. A mídia é um meio formidável de desenvolver sua visibilidade por meio de canais de distribuição modernos e cada vez mais usados.

Associe sua marca ao simbolismo

Ao associar sua marca a símbolos, você alcançará um público maior.

Associe a sua marca a um projeto humano, simbólico e de prestígio. Sua marca deve respeitar os compromissos éticos da empresa para se beneficiar de uma imagem melhor, por meio do seu “conteúdo de marca”.

 

Referências

 

https://www.l-expert-comptable.com/

https://blog.hubspot.fr/marketing/storytelling

 

LGPD

LGPD: O que é e a importância da lei que entrou em vigor

Criada no ano de 2018, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor no mês de setembro de 2020 no Brasil. Com isso, começamos a fazer parte de um conjunto de países que possuem leis específicas para proteger os dados dos seus cidadãos.

Em frente aos novos casos de vazamento, comercialização e uso indevido de dados, a nova lei garante a privacidade dos brasileiros, além de evitar obstáculos mercantis com os demais países.

Mas afinal, o que é LGPD e por que essa lei é tão importante para o nosso país? A seguir, confira as principais informações sobre o assunto.

LGPD: O que é?

Influenciada pelo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, atualizado pela União Europeia, a LGPD concentra todas as normas associadas ao compartilhamento, tratamento, coleta e armazenamento de informações pessoais por meio de diretrizes mais rígidas e determina punições em caso de violação.

Levando em consideração o histórico da LGPD, vale lembrar que a proposta de lei demorou 10 anos de tramitação sendo sancionada em 2018 e passando a valer apenas em setembro de 2010.

A LGPD é constituída de 65 artigos, partilhados ao longo de 10 capítulos. Esta lei determina o relacionamento das corporações e órgãos governamentais em relação ao processo que é realizado com as informações, documentações e dados entregues pelos cidadãos.

Um exemplo de entrega de informações se dá quando um indivíduo cria um perfil em uma rede social ou coloca os dados de seu cartão de crédito para efetuar uma compra de um produto em lojas virtuais.

Para a LGPD, dados são quaisquer materiais capazes de individualizar e caracterizar as pessoas, incluindo não só as informações de documentos pessoais, mas também traços físicos e sociais, como sexualidade, raça, cor dos olhos, perfil de consumo, entre outros.

Em suma, a LGPD foi criada com a finalidade de proteger os dados pessoais e o direito de liberdade de todos os cidadãos. A nova lei desenvolveu regras que devem ser respeitadas por governos e corporações que utilizam a coleta de dados pessoais.

A lei cria um contexto de segurança jurídica ao padronizar atividades para a proteção desses dados. Dois direitos devem ser destacados aqui:

  • Consentimento: em circunstâncias previstas pela norma, uma corporação deve pedir autorização ao titular das informações pessoais antes de coletá-las e utilizá-las. Caso o indivíduo não aceite, seus dados pessoais não devem ser utilizados nestes casos.
  • Finalidade: as corporações devem informar de maneira clara o objetivo, a finalidade do recolhimento das informações pessoais.

Para entender de maneira objetiva quais são as principais finalidades da LGPD, reunimos alguns tópicos importantes para você. A seguir, confira os demais objetivos da nova lei.

Proteção à privacidade

Um dos principais objetivos da LGPD é garantir o direito à privacidade e à proteção de informações pessoais dos brasileiros, por meio de atividades seguras e transparentes, assegurando direitos essenciais.

Desenvolvimento e Transparência

A LGPD tem como objetivo estimular o desenvolvimento tecnológico e econômico do país. Além disso, a lei também pretende estabelecer normas claras sobre o tratamento de informações pessoais.

Segurança jurídica

Outro objetivo da LGPD é fortalecer a segurança dos vínculos jurídicos e a confiança do titular no tratamento de informações pessoais, assegurando a livre concorrência, a livre iniciativa e a defesa dos relacionamentos comerciais e de consumo.

Padronização de regras

A LGPD tem como finalidade determinar normas harmônicas e únicas sobre o tratamento de informações pessoais, por todos os controladores e agentes que realizam a coleta e o tratamento de dados.

Favorecimento à concorrência

Um dos objetivos da LGPD é favorecer a concorrência e a livre operação econômica, incluindo a portabilidade de informações.

Além destes, a norma também estabelece, entre outras coisas:

  • O papel da ANPD;
  • As responsabilidades de quem recolhe as informações pessoais;
  • Punições no caso de erros de segurança;
  • A criação de normas para gerenciamento de risco.

Quem a LGPD protege?

A LGPD foi criada para proteger as informações pessoais de pessoas que estejam no Brasil no momento do recolhimento de seus dados (sejam cidadãos brasileiros ou não). A norma também vale para informações tratadas dentro do território nacional, independentemente da sede da corporação coletora ou do país onde se localiza a base de recolhimento desses dados.

Por fim, ela também protege informações utilizadas para a distribuição de bens e serviços à população.

Proteção de Dados no mundo

Para entender melhor como surgiu a LGPD no nosso país, precisamos saber um pouco do histórico de proteção de dados no mundo.

Mesmo que esse marco na regulamentação digital seja algo vigente no Brasil, os debates sobre a privacidade na internet e proteção de dados já acontecem há anos na maioria dos países.

As primeiras discussões sobre este tópico são encontradas na legislação dos Estados Unidos, onde se passou a identificar que dados íntimos e pessoais dos cidadãos compreendiam o conceito de privacidade e intimidade.

É interessante ressaltar que a Declaração Universal dos Direitos Humanos considera a privacidade como um direito humano em seu art. 12.

Após o surgimento da internet, nos Estados Unidos foram editadas a Lei da Privacidade e a Lei do Crédito Justo. Juntas, elas traziam regras para a análise de crédito dos cidadãos, não podendo associar esta verificação a questões alheias à ações financeiras, como religião, raça, gênero, entre outras.

Apesar desse país ter sido o primeiro a colocar esse assunto em discussão, a primeira lei acerca da proteção de dados foi desenvolvida na Alemanha, no ano de 1978, motivada pela chegada da internet e pelo rápido avanço da tecnologia. Posteriormente, foram criadas leis similares na Suécia, França, Noruega e Áustria.

No ano de 1981, a Convenção 108 do Conselho da Europa para a Proteção das Pessoas Singulares, desenvolveu a primeira ferramenta internacional para legitimar o tratamento automatizado de informações pessoais.

Proteção de Dados no Brasil

No Brasil, a proteção de dados foi conferida à condição de direito fundamental no art. 5º da Constituição Federal. No entanto, somente depois da promulgação do Código de Defesa do Consumidor, no ano de 1990, que a jurisprudência brasileira trouxe as primeiras normas relacionadas ao tratamento de dados pessoais em banco de dados.

Essa norma se deu, mais especificamente, no art. 43, em que foram elaboradas leis acerca dos bancos de dados dos consumidores.

Já no ano de 2011, foi publicada a Lei do Acesso à Informações, que trouxe como norma a transparência de dados relacionados a processos financeiros da administração pública. Ela também trouxe um preceito que seria repetido pela LGPD a respeito da diferenciação entre informação pessoal, pública e sigilosa.

Em 2014, começou a valer o Marco Civil da Internet, que trouxe a proteção de dados íntimos como princípio fundamental para uso da internet no país.

Dessa maneira, a proteção de dados pessoais dos usuários já era obtida em função das regras jurídicas editadas para a prevenção da honra e da intimidade dos brasileiros. Entretanto, solicitava-se uma lei que fosse adaptável com a era digital e que pudesse, de forma particular, centralizar todas as normas referentes ao tema.

As situações envolvendo o uso indevido de dados, por exemplo, na maioria das vezes eram solucionados quando eram levados ao Poder Judiciário e pouco resolviam de forma organizada o comportamento das corporações.

Neste sentido, era necessário criar normas, uma entidade fiscalizadora e penalidades para todas as questões envolvendo o uso de informações pessoais na internet. Desse ponto houve a necessidade de elaborar a LGPD.

Principais mudanças da LGPD no Brasil

A LGPD dispõe sobre as normas que precisam ser colocadas às corporações ou entidades públicas que armazenam informações pessoais. No conceito de corporação se encaixam tanto o indivíduo jurídico, como o físico, independente do armazenamento das informações em arquivos digitais ou físicos. Ou seja, até o IBGE deve seguir estas regras.

A aplicabilidade da norma se dá em relação às corporações que atuam no território nacional. Apesar disso, a sua área de aplicação se dispõe a outros países, caso as informações pessoais estejam depositadas em um banco de dados localizado no exterior.

Além disso, segundo o art. 2º, são colocados os direitos fundamentais que devem ser atentados em relação aos usuários que possuem seus dados colhidos, valendo destacar:

  • O respeito à vida privada;
  • A liberdade informativa;
  • A liberdade de informação, expressão, comunicação e de opinião; a inviolabilidade da honra, imagem e intimidade;
  • Os direitos humanos, a livre evolução da personalidade, o exercício da cidadania e a dignidade.

Sendo assim, todas essas concepções devem ser analisadas nas relações criadas entre os usuários finais e as plataformas digitais.

Além disso, o art. 5º, identifica uma novidade considerável em relação à necessidade de haver consentimento do titular a respeito do uso que será dado às suas informações pessoais. Ou seja, segundo a LGPD, é obrigatório a autorização do titular da informação para que o dado possa ser utilizado para um fim particular.

Essa autorização deve ser escrita ou registrada de uma maneira que seja capaz de comprovar a manifestação da vontade do titular do dado, conforme está colocado no art. 8º da LGPD.

Em relação a indivíduos menores de 18 anos, o uso de suas informações deverá contar com a autorização de seu representante legal, conforme colocado no art. 14.

A LGPD também prevê, em seus artigos 15 e 16, que depois do uso dos dados, a corporação que o armazenou deverá excluí-lo.

Punições em situações de desrespeito da LGPD

Outra norma colocada pela LGPD refere-se às punições que serão exercidas em caso de desrespeito das regras mencionadas na lei. Elas podem ser:

  • Multa simples, de até 2% do lucro da corporação na sua última atividade, tirando os tributos, limita a R$ 50 milhões por violação;
  • Advertência, com determinação de prazo para aplicação de medidas corretivas;
  • Publicação da violação após a sua confirmação à sua ocorrência;
  • Multa diária;
  • Eliminação das informações pessoais a que se refere a violação;
  • Bloqueio das informações pessoais a que se refere a violação até a sua normalização.

Para que essas punições e fiscalizações sejam efetivadas, a LGPD determinou, em seu art. 55, a elaboração da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, ou simplesmente ANPD. A fiscalização e execução de tais penalidades ficarão sob domínio desta autoridade, ou seja, a punição das corporações não irá depender de um processo judicial.

Esta autoridade também será responsável pelas averiguações e por executar e administrar as normas da LGPD, sobretudo por meio da edição de portarias.

O que são dados pessoais?

Para entender a LGPD e por que ela é tão importante, devemos ter ideia do que significam os dados pessoais.

O dado pessoal é toda informação relacionada ao indivíduo natural identificado ou identificável. Isso quer dizer que os dados pessoais são todas aquelas informações que conseguem identificar uma pessoa, sejam características pessoais, números, dados genéricos,  qualificação pessoal, entre outras.

Outros exemplos específicos de informações pessoais são o nome, gênero, CPF, RG, local de nascimento, endereço residencial, renda mensal, cartão bancário, endereço de IP, hábitos de consumo, histórico de pagamentos, localização, preferências de lazer, entre diversos outros dados.

Dados de crianças e adolescentes

O tratamento de informações pessoais de crianças deverá ser executado com o consentimento específico por pelo menos um dos responsáveis legais. O controlador deve fazer todos os esforços possíveis para analisar que a autorização foi dada pelo responsável da criança, consideradas as ferramentas digitais disponíveis.

Dados sensíveis

A lei também define os dados sensíveis. Eles se referem às informações que podem ser usadas de maneira discriminatórias e, sendo assim, necessitam de proteção especial.

A lei determina como dados sensíveis aquelas informações que envolvem a origem étnica ou racial, opinião política, convicção religiosa, filiação de caráter filosófico, religioso ou político, informação referente à vida sexual ou à saúde, informação biométrica ou genética, entre outras.

Dado pessoal anonimizado

É a informação relativa a titular que não consiga ser identificada, levando em consideração o uso de meios técnicos razoáveis e disponíveis na situação de seu tratamento.

Desta maneira, estariam fora da finalidade de aplicação da norma, à exceção se o método de anonimização puder ser invertido ou se estes forem usados no desenvolvimento de perfis comportamentais.

Informações efetivamente anonimizadas são importantes para o funcionamento de ferramentas digitais no campo da inteligência artificial, smart cities, machine learning e análise de amplos contextos comportamentais.

Como funciona o processo para uma informação pessoal se tornar anônima?

A anonimização de informações refere-se ao processo que tira os dados pessoais de modo a não oferecer possibilidades de identificação de indivíduos. Existem três métodos principais: generalização, criptografia e perturbação.

No método de generalização, são trocados dados por informações genéricas. Na criptografia, são colocados algoritmos que transformam os dados em um conjunto aleatório de caracteres. Por fim, a perturbação se trata da troca de dados por outros fictícios.

Só é levado em consideração a anonimização se essas técnicas não puderem ser invertidas.

Por que as corporações ou o governo querem uma informação anônima?

Informações anônimas podem ser utilizadas para entender o comportamento de massa sem a exigência de saber quem é quem. As corporações podem utilizá-las para melhorar a disponibilidade de serviços para os consumidores.

Já o governo pode utilizá-las para ajudar no desenvolvimento de políticas públicas. Por exemplo, no início da pandemia, as corporações ganharam foco por administrar o nível de isolamento social por meio de informações de geolocalização de telefones utilizando dados anonimizados.

Como é realizada a coleta de informações?

A coleta de informações pode ser pessoal ou virtualmente. No primeiro caso, existe a coleta office, que também segue as normas da LGPD. Um exemplo disso é: o pedido do número do CPF na compra de um produto. As corporações devem garantir que a informação fornecida será utilizada para uma finalidade e explicar o que será feito com ela.

Um exemplo do que pode acontecer no segundo caso é quando você acessa um site e permite que ele colete cookies, arquivos pequenos que servem para buscar o que fazemos na internet, ou seja, coleta informações da nossa navegação em portais que visitamos. Outra maneira de coletar dados virtualmente é por meio do preenchimento de formulários.

Quem pode utilizar as informações coletadas?

A corporação, seja ela privada ou pública, pode utilizar as informações pessoais com o respectivo objetivo dado aos titulares. O compartilhamento dessas informações com outras entidades, desde que seguindo os protocolos determinados pelas normas, também pode acontecer.

Qualquer vazamento de dados será de responsabilidade da corporação que recolheu as informações.

Solicitar a exclusão de dados

Segundo o art. 18 da LGPD, o titular das informações pode a qualquer momento solicitar a exclusão dos seus dados pessoais recolhidos, mesmo que a coleta tenha sido realizada com consentimento.

As informações coletadas devem ser excluídas em quatro circunstâncias: quando o objetivo foi alcançado e os dados não são mais necessários; quando o titular solicita a exclusão; fim do prazo de tratamento; ou quando uma autoridade nacional determina.

Vazamento de dados: O que fazer quando a corporação descumpre a LGPD?

Quando o vazamento de dados acontece e a corporação não segue as diretrizes da LGPD, você poderá denunciar o caso às entidades de defesa e proteção ao consumidor do seu município, como o Procon, Ministério Público ou Idec.

Essa denúncia também pode ser levada à ANPD, por meio do e-mail oficial, pelo telefone ou pelo formulário disponível no portal do órgão.

Em caso de vazamento de informações, é essencial fazer um boletim de ocorrência. Além disso, é importante formalizar a ocorrência na ANPD. Para isso, você deve acessar o site oficial, clicar no campo “Denúncia” (disponível no lado inferior esquerdo da tela) e registrar o problema.

A partir dessa etapa, a entidade irá instaurar um inquérito e executar seus poderes de acompanhamento previstos na LGPD.

Além disso, o titular dos dados vazados tem direito a danos morais nessa situação. Segundo o art. 42 da LGPD, o controlador das informações pessoais que causar prejuízo moral ou patrimonial deve consertar o dano causado à conta da violação da legislação.

Como a corporação está pautada sob a LGPD?

Para evitar a falha de ações públicas, as corporações devem seguir alguns passos para obedecer a lei e não ser penalizado.

Confira, a seguir, os passos que deve ser seguidos:

  • Mapeamento das informações pessoais;
  • Conscientização sobre a LGPD;
  • Desenvolvimento de relatórios (mapa de riscos, fluxo de dados e análise de gap);
  • Treinamento de indivíduos para assegurar a conformidade.

A corporação também deve contratar um profissional para ser responsável pela proteção das informações pessoais recolhidas. Este servirá de ferramenta de comunicação com a ANPD e os titulares para receber reclamações, prestar esclarecimentos, aplicar as devidas providências e orientar outros funcionários sobre a proteção de dados.

Por que a LGPD é importante?

O vazamento de dados é um problema sério e que está acontecendo no Brasil, principalmente nos últimos anos. Levando isso em consideração, é de extrema importância estabelecer normas que protegem os cidadãos brasileiros e suas informações particulares.

Sendo assim, para que os usuários brasileiros naveguem livremente e com segurança pela internet, é necessário que existam leis que protegem seus dados privados. Caso contrário, episódios de fraudes podem acontecer e desestabilizar o usuário.

Isso acontece porque a exposição de dados pessoais facilita o acesso a páginas na internet, contratação de pacotes de telefonia, contas bancárias, entre outros. Essas atividades prejudicam de forma rígida o usuário, bem como as corporações, aumentando os sentimentos de insegurança dos consumidores em relação ao uso de ferramentas digitais.

A LGPD conserva os direitos de todos os brasileiros que confiam suas informações às corporações, além de criar penalidades e medidas repressivas em situação de desobediência da segurança que o armazenamento de dados deve disponibilizar.

Com isso, é possível saber que a LGPD será de extrema importância para os usuários brasileiros e terá um papel essencial na proteção de dados de toda a população. Se antes as informações de milhares de pessoas estavam liberadas ao uso indevido, com a nova lei a efetiva privacidade dos cidadãos passará a ser melhor observada.

Mudanças na LGPD começaram a valer em Agosto

A LGPD já está funcionando desde setembro do ano passado e, recentemente, no mês de agosto de 2021, passou por algumas mudanças relevantes referentes às penalidades e na aplicação de multas.

Após o prazo de adequação da LGPD foi concedido o período de mais de 1 ano para o início das multas para os indivíduos que não respeitassem as novas normas.

Assim, a partir do mês de agosto, quando falamos de alterações na LGPD, estamos nos referindo a aplicação de multas, ou seja, quem estiver em desacordo com essa lei está sujeito a uma penalidade. E os preços podem alcançar os R$ 50 mil por cada delito cometido.

Dessa maneira, com valores tão altos, muitos proprietários estão adequando seus serviços para seguir os parâmetros estabelecidos na LGPD.

Para os empresários que ainda não se atentaram a essas mudanças, é recomendado procurar o auxílio de um profissional o mais rápido possível. Desse modo, será feito um diagnóstico inicial e a elaboração de métodos e ações necessárias para adaptação de maneira efetiva.

Veja, abaixo, as sanções que podem ser aplicadas a partir de agosto:

  • Advertências, indicando o período para adoção de ações corretivas;
  • Multas diárias;
  • Bloqueio das informações pessoais a que se refere o delito até a sua regularização;
  • Eliminação das informações pessoais a que se refere o delito;
  • Multas simples, com até 2% dos faturamentos da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou amontoado no Brasil na sua última operação, excluídos os impostos, limitada, ao todo, a R$ 50 milhões por delito;
  • Publicação do delito depois que a ocorrência for apurada e confirmada;
  • Suspensão parcial do exercício do banco de dados a que se refere o delito pelo prazo máximo de seis meses, até a regularização da ação de tratamento pelo controlador;
  • Proibição total ou parcial do exercício de tarefas referentes a tratamento de dados;
  • Suspensão das atividades de tratamento de informações pessoais a que se refere o delito pelo período máximo de seis meses.

Essas são algumas medidas que serão tomadas caso o empresário não esteja de acordo com as normas estabelecidas pela LGPD. O cálculo das penalidades irá considerar os critérios estipulados pela LGPD. A técnica para esses cálculos ainda será submetida a consultas públicas.

A lei traz uma mudança na forma como as corporações atuam dentro do tópico de coleta e tratamento de informações pessoais de seus clientes, que, sem levar em consideração o porte e o segmento, devem se adequar imediatamente.

Dependendo da quantidade de informações tratadas e da importância desta ação para as estratégias de negócio da corporação, alguns investimentos podem ter de acontecer por parte dos proprietários.

Sendo assim, é preciso estudar o funcionamento da empresa antes de elaborar qualquer plano de mudança referente às normas da LGPD.

A ANPD irá se juntar com outros órgãos públicos?

A LGPD diz que a ANPD irá articular seus exercícios com outras entidades e órgãos com competências normativas e sancionatórias referentes ao tópico de proteção de informações pessoais e será o órgão central de análise da Lei e da instalação de diretrizes e normas para a sua implementação.

Dessa maneira, a ANPD já conta com acordos de colaboração técnica firmados com a SENACON e com o CADE que permitem a elaboração de atividades conjuntas em tópicos que geram repercussões no segmento de atuação das entidades envolvidas.

Já existem, inclusive, situações concretas sob análise da ANPD que envolvem a atuação colaborativa com essas entidades e com o Ministério Público.

A ANPD espera ampliar ainda mais as relações de cooperações com outros estabelecimentos públicos, com o objetivo de conquistar maior efetividade em suas fiscalizações, em defesa das pessoas que tiveram seus direitos de proteção desrespeitados.

Dicas para se adequar às mudanças da LGPD

Quando lida pela primeira vez, a LGPD pode parecer confusa para muitas pessoas. Por conta disso, reunimos algumas dicas para você adequar seu negócio às novas mudanças da lei de proteção de dados.

Uma das principais práticas que as corporações devem adotar é um sistema e organização de informações pessoais. Em um primeiro momento, é necessário alcançar alguns objetivos fundamentais. São eles:

  • Identificar quais informações são coletadas por qualquer departamento da corporação;
  • Separar e organizar essas informações de maneira correta, classifica-as (principalmente quando se trata de dados sensíveis, como materiais coletados pelas corporações de saúde, por exemplo);
  • Saber como gerenciar essas informações de forma sistematizada.

É importante ressaltar que as normas da LGPD valem tanto para as informações digitais quanto para as informações físicas presentes nos arquivos da corporação.

Confira outras dicas a seguir!

Entenda quais informações pessoais o seu negócio possui

O diagnóstico inicial de execução da LGPD precisa apresentar quais informações pessoais já constam em seu banco de dados (como email, nome e telefone, por exemplo) e quais outros dados estão sendo coletados nas atividades do dia a dia de sua empresa.

Da mesma maneira, é necessário compreender como essas informações estão sendo armazenadas, com quem são compartilhadas e qual o objetivo da utilização, dentre outras noções previstas na lei.

Além disso, o banco de emails da corporação deve passar por uma atualização. É recomendável excluir as pessoas com quem a sua corporação não tem o desejo de manter o contato.

Vale lembrar que os contratos celebrados antes da LGPD precisam se adequar às novas mudanças do uso de dados. É importante que todos estejam informados sobre as novas normas e se estão de acordo com as mesmas.

Utilizar materiais para verificação de entregabilidade de emails para ter certeza que todos recebam as informações é uma ótima ideia para colocar em prática nessa situação.

Obviamente, depois de realizar esse processo, é preciso esperar o retorno de todos os contatos, para verificar se todos estão de acordo com as novas normas.

Levantar os riscos no uso de informações

Com penalidades tão altas, é fundamental comparar a oportunidade com o risco. Ou seja, se a chance de ganho ao usar tal dado for menor que o risco de ser multado, vale a pena procurar adaptar as operações para que nenhuma informação seja utilizada de maneira inadequada.

Não se sabe ao certo como as fiscalizações vão ocorrer, mas a partir do momento em que muitas pessoas poderão denunciar quem desrespeitar as normas da LGPD, algumas estratégias de negócio, realizadas pela corporação, já não serão mais toleradas.

E é justamente neste tópico que muitas multas poderão ser empregadas.

Determinar as reparações necessárias

Tão importante quanto reconhecer os riscos, através do mapeamento das falhas identificadas na estrutura da corporação é necessário desenvolver uma linha de ação nas alterações fundamentais.

De uma maneira geral, entender quais mudanças são urgentes, com exposição da empresa a um risco imediato, e quais poderão ser realizadas com mais tranquilidade, conforme as oportunidades futuras na execução dessas alterações.

Com uma ótima estratégia em mãos, principalmente onde o uso de ferramentas digitais é indispensável e as atividades em regime home office são comuns, é possível começar o próximo passo com muita confiança e segurança.

Nomear um encarregado de Dados

Uma medida que deverá ser tomada por todas as corporações do Brasil será a nomeação de um profissional que será responsável pelas informações pessoais armazenadas no banco de dados da empresa.

Dessa maneira, esse profissional, que pode ser físico ou jurídico, terá a responsabilidade de gerenciar os dados da corporação.

Segundo o texto da LGPD, suas funções são:

  • Administrar, auditar e supervisionar o devido cumprimento das normas da legislação pela corporação;
  • Fiscalizar e orientar os demais profissionais da corporação quanto ao cumprimento das regras e quanto a adoção de práticas para isso;
  • Ser o canal de comunicação entre os titulares das informações e a corporação, recebendo solicitações, reclamações, adotando as devidas medidas e prestando atendimento. Esse profissional também será a ponte entre a corporação e a ANPD.

O encarregado de dados também é responsável pela instalação de uma cultura de proteção de dados e por lançá-la aos funcionários da corporação.

Executar o plano de ação de acordo com as novas mudanças

Uma vez determinado o que é necessário mudar e o que está em desacordo com a lei, chega o momento de garantir a execução das alterações.

A atuação de uma equipe interdisciplinar (tecnológica, jurídica, entre outras) é fundamental para garantir a minimização dos riscos, visto que as informações pessoais têm sido armazenadas de forma digital de uma maneira bastante ampla.

Por conta disso, é simples localizar o caminho trilhado pelas informações e o seu uso durante uma fiscalização oficial. É importante lembrar da importância de garantir que o caminho dessas informações seja desenvolvido conjuntamente com as estratégias mais adequadas para a regulamentação.

Para finalizar, é comum que muitos empresários fiquem ansiosos perante o surgimento de mudanças na legislação. Muitas pessoas ficam preocupadas com o futuro de seu negócio e com medo de receber penalidades por infrações que poderiam ser facilmente evitadas com boas estratégias.

Entretanto, a LGPD não é uma simples lei recheada de penalidades e normas, ela foi desenvolvida com o objetivo de proteger as informações pessoais de todas os indivíduos do Brasil e deve ser considerada uma janela de possibilidades.

Sem dúvidas, as empresas que adotarem as novas mudanças irão fugir das complicações e se destacar dentro do mercado. Afinal, ninguém quer consumir os serviços de uma corporação que não protege os dados pessoais e não respeita as normas da LGPD.

as redes sociais

As Redes Sociais

As redes sociais são fundamentais para quaisquer negócios nos dias de hoje onde a internet impera.

É fato: as redes sociais se tornaram fundamentais para os negócios, mas principalmente hoje onde a internet impera. A transformação digital tem implicações de longo alcance tanto para as empresas quanto para o mundo do trabalho e para a sociedade como um todo.

Essa revolução digital é tão importante que os especialistas a comparam ao nascimento da impressora, há mais de cinco décadas.

Nesta nova era, os canais digitais estão se multiplicando e seus usos estão aumentando. As redes sociais tornaram-se ferramentas essenciais de comunicação.

As organizações hoje devem aproveitar as oportunidades digitais para desenvolver sua reputação e volume de negócios, adaptar sua cultura corporativa e reter seus funcionários.

Maior visibilidade da marca, compartilhamento de notícias, fidelidade de clientes e funcionários, recrutamento, tudo isso é possível com o Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, Clubhouse, Pinterest, Kuaishou, Reddit, Snapchat, QZone, Sina Weibo, Tik Tok, Youtube e afins.

1 2

Redes sociais e impactos nos negócios

Na era digital, as empresas não podem mais ignorar a estratégia de marketing de mídia social. Divulgação de conteúdo, promoção de novos produtos / serviços, mídias sociais engajam e tornam virais as ações de comunicação da empresa.

A web, que se tornou social, permite criar uma nova relação com o cliente, mais gratificante e íntima. Os funcionários da empresa tornam-se influenciadores e ajudam a promover a marca, a fazê-la brilhar.

Barreiras de negócios e consumidores estão caindo, abrindo espaço para o compartilhamento de experiências.

Ávidos pela web e por novas formas de consumo, graças à internet, os clientes comparam, compartilham e recomendam um produto / serviço e isso muda as estratégias de marketing, comunicação e vendas.

A nova situação induzida pelas redes sociais está totalmente em linha com a transformação digital das empresas e a sua utilização está a mudar os negócios com impactos a vários níveis:

  • Impacto estratégico: ao nível da comunicação, imagem da marca e notoriedade;
  • Impacto comercial: promovendo a desintermediação, gerando novas interações do cliente com a empresa;
  • Impacto gerencial: impondo novas organizações para se adaptarem à transversalidade da web, gerando novas expectativas de relacionamento entre os colaboradores (redes sociais corporativas), impactando os elos hierárquicos (nativos digitais mais ágeis e conhecedores do que os mais velhos);
  • Impacto no RH: fornecendo novas técnicas de recrutamento e expectativas renovadas dos candidatos.

Inicialmente confinada apenas aos departamentos de Marketing e Comunicação, as mídias sociais hoje desempenham um papel decisivo em muitos departamentos de negócios, independentemente de seu porte.

O Atendimento ao Cliente e as redes sociais integradas estão entre os principais canais de interação com seus clientes, os serviços de RH utilizam as redes como ferramentas inigualáveis ​​para desenvolver a marca empregadora e atrair novos candidatos.

Hoje, os departamentos de vendas integram totalmente as mídias sociais em seus processos de vendas.

O uso de redes sociais nas empresas

A venda social é uma das consequências da transformação digital. A venda social é uma abordagem 100% “Online” que consiste na utilização de redes sociais (LinkedIn, Facebook, Twitter, Instagram) em cada etapa do processo de venda.

Não se trata apenas de criar perfis de equipes de marketing e vendas. É um processo de encontrar, selecionar, ouvir e interagir com clientes em potencial por meio de redes sociais por vendedores. Permite detectar, acelerar ou desenvolver negócios.

Venda social, uma resposta adaptada

A venda social é uma resposta eficaz às empresas que hoje devem encontrar uma nova forma de prospecção comercial, menos intrusiva e mais inteligente. A venda “social” baseia-se no princípio de compartilhar conteúdo de qualidade com o comprador certo, no momento certo e no contexto certo. Ele se opõe, nisso, à prospecção no campo, que não integra esses princípios.

Ao entregar o conteúdo certo durante a fase de busca independente de informações, a empresa fornece respostas concretas que muitas vezes são apreciadas pelos compradores.

As empresas que praticam a venda social bem-sucedida compreenderam totalmente esse mecanismo.

Ao invés de simplesmente entregar continuamente um discurso egocêntrico sobre suas ofertas de produtos e serviços, assimilado à autopromoção odiada pela maioria dos compradores, eles preferem atrair seus clientes potenciais compartilhando conteúdo de valor agregado em seu site e em suas redes sociais.

2 2

A venda social é uma abordagem proativa que consiste em avançar os clientes potenciais no caminho da conversão do cliente. Possui 4 etapas principais: atrair, converter em clientes potenciais, obter um encontro e fechar a venda.

Ao alavancar as plataformas de mídia social, a venda social trata de encontrar os clientes certos, construir relacionamentos de confiança e, por fim, atingir as metas de vendas.

Esta técnica de venda totalmente “digital” permite uma melhor geração de prospectos, bem como um método de prospecção comercial diferenciador e inovador em termos de forma e resultados: eliminamos a necessidade de chamadas não solicitadas para um diálogo um a um e entendemos melhor as necessidades de cada um para encontrar a solução.

Os vendedores podem, assim, melhorar sua liderança, mas também se manter informados sobre as novidades de seus clientes em potencial, a fim de recuperá-los e se envolver em uma conversa personalizada.

Redes sociais: um trunfo para desenvolver o seu negócio

Já faz algum tempo que você ouve que é fundamental incluir as redes sociais na sua estratégia web. Mas você realmente sabe quais benefícios isso trará para o seu negócio?

Veja, a seguir!

1. Faça-se conhecido

As redes sociais são um trampolim para desenvolver a sua visibilidade na web e consequentemente a sua reputação.

É uma forma de se dar a conhecer aos seus fornecedores, parceiros, concorrentes e principalmente aos seus futuros clientes, utilizando o princípio da viralidade da informação.

2. Melhore o seu SMO

Nos últimos anos, temos falado sobre Social Media Optimization (SMO) ou otimização para mídias sociais. O SMO é um conjunto de técnicas que permitem atrair visitantes para os conteúdos do seu site, promovendo-os nas redes sociais.

Por fim, a referência social promove o tráfego e a referência natural que melhora a sua visibilidade nos motores de busca.

3. Conquiste novos clientes e retenha os existentes

Usar o Facebook, Twitter, LinkedIn ou outros é uma boa solução para diversificar e aumentar suas fontes de aquisição de clientes. São, portanto, uma ferramenta a ser usada na sua prospecção comercial, mas também na sua abordagem para fidelizar os clientes.

3 2

4. Um modismo que se tornou obrigatório

A comunicação nas redes sociais ajuda a satisfazer a loucura por eles. Alguns anos atrás, a mídia social era um exagero. Agora eles são um meio de comunicação completo.

Quem não usa Facebook ou Instagram hoje? Muitas pessoas e empresas usam as mídias sociais tanto pessoal quanto profissionalmente.

Porém, dependendo do seu target, é necessário escolher bem suas redes sociais e adaptar sua mensagem. Portanto, você precisa fazer algum trabalho preparatório para determinar suas personas.

5. Comunicação instantânea

Outra vantagem das redes sociais é transmitir suas mensagens em tempo real (tenha cuidado com o que escreve). Aconselho-o a estabelecer um calendário de suas publicações.

Para te ajudar na programação destes, surgiram ferramentas de gestão como o mLabs (ferramenta que utilizamos dentro da agência). Versões gratuitas existem, mas são limitadas. Para um uso mais profissional, conte pelo menos uns R$200 por ano por um pacote básico.

6. Comunicação em larga escala

Ao se comunicar nas redes sociais, você alcançará um público em uma grande área geográfica no Brasil e em todo o mundo (se esse for um de seus objetivos, é claro).

7. Comunicação a um custo menor

Ao contrário dos meios offline como televisão, rádio, imprensa, a publicação nas redes sociais é gratuita. Depois disso, você também pode decidir anunciar no Facebook Ads, mas isso obviamente tem um custo.

Só quero chamar a atenção para o fato de que é importante se comunicar regularmente nas redes sociais com mensagens impactantes que despertem o interesse de seus leitores.

Leva tempo. Então, pode ser sábio recrutar um gestor de tráfego, chamar um estrategista digital ou simplesmente adquirir habilidades neste campo.

8. Gerenciar sua reputação

Uma outra vantagem da rede é regular e melhorar a sua reputação online. Os usuários da Internet estão cada vez mais dando suas opiniões sobre os produtos e serviços que utilizam.

Para muitas empresas, ter uma boa imagem na web é uma questão essencial.

A presença em novas tecnologias da web pode permitir que você gerencie melhor sua reputação eletrônica.

9. Crie uma comunidade

Estar presente nas redes sociais permite criar uma comunidade e, diria mais, desenvolver o envolvimento com ela. Você deve sempre ter em mente reter seus “fãs” atuais, mas também conquistar novos.

Ao publicar conteúdo interessante e original que agrade aos seus leitores, eles vão querer curtir, comentar ou até mesmo compartilhar suas publicações. Eles também podem entrar em contato com você e bater um papo com você.

O trabalho de desenvolver uma comunidade é longo, então seja paciente antes de chegar aos mil fãs.

10. Conheça melhor seus clientes

Com as redes sociais, você estabelece uma certa proximidade com seus interlocutores ao criar relações especiais com eles e, acima de tudo, significa que é uma forma de conhecê-los melhor, fazendo perguntas, oferecendo quizzes e etc.

11. Aumente a capacidade de resposta

O fato de dialogar com seus clientes, parceiros ou fornecedores faz com que você ganhe em eficiência e agilidade.

E acima de tudo, graças às suas ações de monitoramento, você pode ser reativo ao que seus concorrentes estão fazendo em termos de ações de marketing.

4 2

12. Dê importância à sua atividade

Estar presente nas redes sociais aprimora sua expertise e dá credibilidade ao seu negócio, ao mesmo tempo que o torna mais humano. Os usuários da Internet terão mais confiança em você.

13. Destaque suas notícias

As redes sociais são uma ferramenta de marketing ideal para comunicar as suas notícias, especialmente durante os períodos de operação comercial: promoções, vendas, fim de estoque. Os internautas gostam de bons negócios na web que não hesitam em partilhar.

Seus fãs também vão gostar de ouvir sobre seus novos produtos ou serviços de sua empresa.

14. Uma ferramenta vinculada ao seu blog

Depois de escrever e publicar o artigo em seu blog, você precisa compartilhá-lo e compartilhá-lo novamente nas redes sociais. Certamente você me dirá que cansará seus leitores com o mesmo conteúdo. Tire essa ideia da cabeça.

Você deve saber que quando publica nas redes sociais, nem todos os seus potenciais alvos estão necessariamente presentes no momento. Daí o interesse de veicular seus artigos várias vezes nas redes.

Um conselho: varie o dia e a hora das suas republicações de qualquer maneira!

15. Direcione tráfego para seu site

Compartilhar artigos nas redes trará, portanto, visitas ao seu blog. Além desses compartilhamentos, a criação de conteúdo interessante nas redes sociais é uma fonte adicional de tráfego para o seu site.

Você já deve ter entendido que incluir as redes sociais em sua estratégia digital traz muitas vantagens. É certo que é um trabalho longo que não dará frutos imediatamente, mas a médio prazo poderá medir facilmente os retornos.

E claro, você sempre tem a possibilidade de estar acompanhado de um profissional da web.

Conclusão

As redes sociais desenvolvem a notoriedade, a visibilidade de uma empresa e a confiança nela. Por meio de uma política de aquisição de fãs, amigos ou seguidores, o uso das redes sociais pode aumentar consideravelmente o alcance e a visibilidade de uma empresa.

As mensagens divulgadas são direcionadas a um público mais amplo, com potencial quase infinito. Os fãs recomendam esta ou aquela página, a empresa se beneficiando do desenvolvimento de seu público.

Daí o interesse em trabalhar na criação e disseminação de um conteúdo rico e interessante.

Além disso, as redes sociais são um espaço de comunicação à parte, permitindo que outro tipo de diálogo seja mantido com clientes, parceiros e fornecedores.

Um diálogo que cria proximidade, troca e, portanto, confiança.

As redes sociais permitem a prospecção e aquisição de novos clientes. A prospecção comercial certamente encontrou um novo sucesso no Facebook, Instagram e Clubhouse.

Ao criar e distribuir conteúdo original e atraente, as empresas se beneficiam de uma ferramenta poderosa de prospecção.

As redes sociais permitem que você adote um tom diferente das ferramentas de marketing tradicionais, com a vantagem adicional do tremendo efeito de impulso do aspecto viral da mídia social.

E graças à interação inerente às redes sociais, as empresas podem adquirir contatos qualificados – endereços de e-mail ou mesmo detalhes de contato completos – a um custo menor.

Referências

https://www.e-marketing.fr

https://www.evolurion-net.com

iOS 14

Mudanças dos anúncios no iOS: O que você precisa saber?

Mudanças dos anúncios no iOS 14: O que você precisa saber?

Você já deve ter notado as mudanças dos anúncios no iOS.

Se você está fazendo anúncios no Facebook, certamente está ciente de que a Apple divulgou no final de 2020 mudanças em seu sistema operacional iOS 14 (especialmente com a atualização do iOS 14.3) que terão um impacto muito significativo em todas as empresas que anunciam no Facebook e Instagram.

iOS 14

Os mais afetados serão aqueles que usam eventos de conversão de pixel do Facebook em seu site (provavelmente você!) E, ainda mais, aqueles que promovem aplicativos móveis com campanhas de instalação de aplicativos.

A Apple agora exige que todos os aplicativos disponíveis em sua AppStore enviem aos usuários de aplicativos uma solicitação de consentimento para coletar seus dados com a finalidade de veicular anúncios personalizados.

Podemos esperar que, diante desta escolha, muitos usuários se recusem a ser rastreados, principalmente com um aplicativo como o Facebook que não tem a melhor reputação em termos de coleta e rastreamento de dados.

O que tornará mais difícil para os anunciantes.

Você pode ver uma queda significativa no número de conversões registradas em suas campanhas e uma diminuição na eficácia de seus anúncios em geral.

As mudanças dos anúncios no iOS e atualização 14.3

Além de novos recursos como o formato de foto personalizável Apple ProRAW, suporte para AirPods Max ou o serviço de assinatura de fitness Fitness +, a Apple introduziu no iOS 14.3 uma nova seção de informações de privacidade na AppStore, chamada AppTrackingTransparency.

Na verdade, por anos a Apple atribuiu um identificador exclusivo a seus telefones (o IDFA), que permite rastrear o que você faz no iPhone.

Com esta nova estrutura AppTrackingTransparency, um aplicativo que gostaria de usar esse identificador exclusivo para rastrear o que você está fazendo no seu iPhone terá que pedir sua permissão para fazer isso.

Isso dará duas obrigações aos aplicativos móveis:

1º Os desenvolvedores de aplicativos deverão fornecer informações detalhadas sobre os dados pessoais que podem coletar sobre seus usuários.

2º Aplicativos móveis (como Facebook e Instagram) precisarão obter o consentimento de seus usuários para serem capazes de rastreá-los como fizeram até agora.

Como os anunciantes serão afetados pelo iOS 14.3

Aqui está novamente como os anunciantes serão afetados:

  • Menos coleta de dados – segmentação menos relevante
  • Sem visibilidade em conversões da web ou em aplicativos para usuários de iPhone – resultados de campanha incompletos que, portanto, parecerão piores do que realmente são
  • Menos conversões registradas ⇒ pior otimização de campanhas
  • Menos sinais de pré-compra rastreados ⇒ redução no tamanho dos públicos de retargeting

iOS 14

Dito isso, é muito difícil saber exatamente o escopo dessas mudanças antes que tudo seja eficaz, porque há muitas incógnitas:

  • Quantas pessoas optarão por sair quando o Facebook perguntar se elas concordam em ser rastreadas?
  • Como nosso público / segmentação será afetado?
  • Como os relatórios e a otimização serão afetados?
  • O que muda nossa forma de trabalhar, nossos hábitos publicitários e nossos processos?
  • Nossos anúncios serão menos eficazes?

Saberemos mais nos próximos meses. O que precisamos, de fato, ter em mente aqui no Brasil, é que a maioria dos usuários das redes sociais possuem Android.

Portanto, o impacto será pouco ou quase nada sentido nos anúncios.

A decisão da Apple de incorporar esse recurso de rastreamento limitado para publicidade em sua atualização do iOS 14 ressoa com desenvolvimentos e controvérsias relacionadas a geolocalização e SDKs de publicidade (Software Development Kit).

Integrados a aplicativos móveis, esses snippets de código também permitem a transmissão de dados pessoais e geolocalização. E isso, sem que o usuário tenha plena consciência de que seus dados são vendidos a terceiros.

Anúncios do Facebook: consequências e contramedidas

Para a Apple, portanto, é uma questão de combinar o iOS 14 e a publicidade em todos os momentos para respeitar a privacidade dos usuários.

Mas para o Facebook, essa mudança é vista como uma mudança na capacidade dos anunciantes de fornecer publicidade direcionada.

Devido, em parte, aos muitos usuários do iOS 14 que deixarão de dar sua autorização para a coleta e compartilhamento de determinados dados e sua geolocalização.

Nesse sentido, o aplicativo do Facebook está sujeito, como todos os outros da App Store, a enviar um prompt aos usuários do iOS 14, de acordo com o framework AppTrackingTransparency da Apple.

A rede social antecipa uma queda no número de conversões registradas.

Mas também uma coleta atrasada e / ou restrita de estatísticas que passam pela API Apple SKAdNetwork, para celulares e sites.

Ao mesmo tempo, o Facebook fornece uma série de limitações à criação de anúncios.

iOS 14: quais são as iniciativas a serem tomadas?

Na página de ajuda ao negócio, atualizada regularmente pelo Facebook, é detalhado um conjunto de ações para dar continuidade à divulgação das campanhas dedicadas aos dispositivos iOS 14 e medir o seu desempenho. Entre eles, citaremos:

Novas atualizações para baixar agora. Por exemplo, a versão 8.1 do Facebook SDK para iOS 14. A criação de campanhas de instalação de aplicativos dedicados ao iOS 14: para cada aplicativo, uma única conta de publicidade e um número de campanhas simultâneas limitado a nove.

No caso de eventos de conversão no site da sua empresa, e se você usar um pixel e / ou outras ferramentas do Facebook, considere redefinir o número de eventos de conversão por domínio (máximo de oito). Bem como para verificar o seu domínio.

iOS 14

Google Ads: adaptação às mudanças no iOS 14

O Google apreendeu com mais calma do que o Facebook as mudanças iniciadas pela atualização do iOS 14 da Apple. Por um lado, a empresa atualiza regularmente sua Central de Ajuda da AdMob.

Por outro lado, ela anunciou a continuação da coleta de IDFA para usuários do iOS 14 que decidirem permitir o compartilhamento e a coleta de seus dados.

Como? ”Ou“ O quê? Por meio do AppTrackingTransparency da Apple, é claro. Mas também pelo próprio sistema operacional do Google. Porém, é importante ressaltar que isso não impedirá certas restrições.

Em particular, em termos de vários recursos de segmentação e medição de desempenho para as campanhas que os anunciantes executarão em dispositivos iOS 14 por meio do Google Ads.

Mudanças dos anúncios no iOS e no Facebook

De acordo com um webinar reservado para agências parceiras do Facebook no início de janeiro, essas são as informações de uma recapitulação do que está mudando.

Limite de eventos

Haverá um limite de 8 eventos de conversão por domínio. Este limite inclui todos os eventos padrão, eventos personalizados ou conversões personalizadas configuradas em seu gerenciador.

Esses 8 eventos serão escolhidos automaticamente pelo Facebook em ordem de prioridade no início de 2021.

Após esta configuração inicial (automática, portanto) e uma vez que o Facebook implementou a estrutura AppTrackingTransparency da Apple, você pode modificar esta configuração e escolher quais 8 eventos devem ser rastreados.

Os conjuntos de anúncios que otimizam para eventos além dos 8 priorizados serão pausados, de acordo com as mudanças dos anúncios no iOS.

Finalmente, se um usuário disparar vários eventos (por exemplo, um ViewContent, um AddToCart e um Purchase), apenas o evento com o nível mais alto de prioridade será relatado pelo pixel.

Gestão de eventos

A medição agregada de eventos no Facebook mede os eventos da web registrados em dispositivos iOS 14.

iOS 14

Medição de desempenho e relatórios

Não haverá mais relatórios aos 28 dias pós-clique, 28 dias pós-visualização e 7 dias pós-visualização.

O Facebook usará modelos estatísticos para compensar a falta de dados dos usuários do iOS 14 (isso será especificado quando um indicador for calculado dessa forma).

A seleção de uma janela de atribuição no nível da conta do anúncio será substituída pelas configurações de atribuição no nível do conjunto de anúncios (provavelmente 7 dias pós-clique e 1 dia pós-visualização por padrão), de modo que as conversões calculadas pelo Facebook sejam as mesmas usadas para a otimização de um conjunto.

Ações a serem tomadas do seu lado

Finalmente chegamos à parte mais importante deste tópico: o que você precisa levar para estar pronto quando a Apple apertar o botão.

Vou distinguir aqui entre os anunciantes que fazem campanhas na web e aqueles que fazem campanhas de aplicativos.

Se você usar eventos de conversão de pixel Facebook em seu site

Verifique seu nome de domínio (especialmente se você usar um pixel em vários gerentes de negócios ou se tiver uma conta de publicidade pessoal).

É necessário apenas verificar o eTLD + 1 (domínio de primeiro nível efetivo mais um).

Decida quais 8 eventos de conversão você usará agora (se estiver usando atualmente mais de 8 eventos). Não há mudanças a serem feitas na configuração de seu pixel em seu site ou em sua API de conversão, a seleção será feita apenas no gerenciador de eventos.

Você poderá alterar sua seleção de eventos de conversão no Gerenciador de eventos do Facebook depois que o Facebook implementar a estrutura AppTrackingTransparency da Apple.

  • Facebook: “Recomendamos que você identifique os oito eventos de conversão mais importantes para os resultados de seu negócio e avalie se mudanças precisam ser feitas em sua campanha ou estratégia de medição.
  • Pode ser necessário otimizar seus anúncios para metas de parte superior do funil, como número de visualizações da página de destino e cliques em links. ”
  • Relatórios: comece agora a usar apenas a janela de atribuição de 1 ou 7 dias, exporte seus dados históricos com as janelas de conversão de 1, 7 e 28 dias e calcule seu multiplicador entre as conversões de 7 dias e 28 dias .
  • Regras automáticas: reconfigure as regras que usam uma janela de atribuição de 28 dias, caso contrário, elas não serão mais válidas.
  • Anúncios dinâmicos: nenhuma mudança significativa em relação ao redirecionamento .
  • O Facebook recomenda verificar os URLs de domínio de seus produtos e não usar URLs que redirecionem as pessoas que clicam em seus anúncios para outros domínios + use apenas 1 pixel por catálogo de produtos.

Se você tem um aplicativo móvel em sua empresa e usa Facebook Ads para impulsionar as instalações da App Store e as conversões no aplicativo.

Primeiro, atualize para a versão 8.1 (ou posterior) do Facebook SDK para iOS para garantir o suporte para iOS 14. Também recomendo este recurso.

Você pode fazer isso a partir do Event Manager, desde que seja um administrador do aplicativo.

Em seguida, você precisará criar campanhas de instalação de aplicativos separadas para iOS 14 e cumprir as seguintes restrições:

iOS 14

  • Seu aplicativo só pode ser associado a uma conta de publicidade.
  • Cada aplicativo é limitado a 9 campanhas iOS 14 ao mesmo tempo.
  • Cada campanha é limitada a cinco conjuntos de anúncios usando o mesmo tipo de otimização.

A única opção de compra disponível é o leilão, e a compra repetida não está disponível.

Depois que sua campanha for publicada, não é possível ativar ou pausar a campanha do iOS 14: você deve desativar ou excluir sua campanha.

Conclusão

São muitas informações e você pode estar se sentindo perdido. Aqui está uma pequena recapitulação:

  • Os usuários do iOS 14.3 verão em breve uma notificação em seus telefones perguntando se eles concordam em ser rastreados pelo Facebook e Instagram. Eles terão que aceitar (= consentimento expresso);
  • Como resultado, muitos provavelmente serão menos rastreados (atividade online de seus telefones);
  • O Facebook certamente coletará menos dados sobre seus usuários que estão no iPhone (isso também se refere a TikTok, Snapchat, Pinterest, etc.);
  • Se o Facebook não vê o que está acontecendo fora de seu aplicativo (outros aplicativos usados, geolocalização, comportamento de compra etc.), isso reduzirá a precisão de seus modelos preditivos e seu aprendizado de máquina ⇒ segmentação e geração de relatórios menos precisos, campanha menos eficiente otimização
  • Levará vários meses para medir o impacto dessa mudança, dependendo da velocidade de adoção do iOS 14.3;
  • Os mais afetados serão os anunciantes que realizam campanhas de instalação de aplicativos

Se você vende produtos em seu site, nada vai mudar no tráfego de seu desktop. Para seu tráfego móvel, você não terá os dados (em seu gerenciador de anúncios Facebook – você ainda terá em seu site diretamente) para as pessoas que optaram por sair.

As mudanças dos anúncios no iOS também preocuparam você? Compartilhe conosco a sua opinião!

 

Referências

https://www.foxwelldigital.com/blog/2020/12/18/facebook-advertising-and-ios14-a-guide-and-what-to-tell-clients

https://www.dropbox.com/s/j8rghtqz6muu2bx/Building-For-Privacy-Performance-Checklist-nonNDA%20%282%29.pdf?dl=0

https://business.facebook.com/business/help/331612538028890?id=428636648170202

 

como fazer um e-mail marketing

Como fazer e-mail marketing ?

Como fazer e-mail marketing eficiente?

O e-mail marketing é ideal para quem quer criar campanhas excelentes! Não sabe como fazer isso? Infelizmente, hoje a criação de boas campanhas está se tornando cada vez mais difícil. Sim, tornou-se um verdadeiro desafio. E se você quiser ter uma chance de ganhar muito dinheiro com isso, precisará adquirir muito conhecimento.

Por que isso é mais difícil? Não apenas porque seus clientes em potencial estão cada vez mais inundados de e-mails a ponto de não poderem mais ler todos eles, mas também porque é cada vez mais fácil entrar na caixa de spam. Considerando esse ponto, veja o conteúdo a seguir!

 

como fazer um e-mail marketing

Como fazer e-mail marketing eficaz?

Bem, você terá que conseguir superar três dificuldades principais. E ouça-os atentamente, pois estes são os passos que lhe permitirão alcançar seus objetivos. Sim, quando você escreve suas campanhas por e-mail, precisará absolutamente …

  • Evite a caixa de spam para ter a chance de ser vista
  • Consiga escrever um objeto atraente para obter uma excelente taxa de abertura
  • Escreva um e-mail fascinante que solicite que seus clientes em potencial tomem medidas para obter uma alta taxa de conversão.

Mas como você consegue essas três etapas? Bem, isso exigirá muito conhecimento e, acima de tudo, experiência. Sim, você terá que testar tudo e testar novamente analisando quais são as técnicas mais eficazes. Mas, por enquanto, aqui estão algumas dicas básicas para ter sucesso nessas três etapas em suas campanhas de e-mail marketing.

como fazer um e-mail marketing

Como evitar a caixa de spam?

Hoje é cada vez mais fácil encontrar- se na caixa de spam. E será o seu maior inimigo quando você configurar campanhas de marketing por e-mail. Porque, se você acabar na caixa de spam, pode obter resultados medíocres …

É por isso que o primeiro objetivo ao configurar uma campanha de e-mail é chegar à caixa de entrada.

Para isso, é extremamente aconselhável:

  • Evite “palavras de spam ” na linha de assunto. Uma “palavra spam” é uma palavra frequentemente usada para campanhas de spam cujo uso é penalizado hoje. Portanto, tente limitar-se a usar apenas um ou dois no máximo na linha de assunto do seu e-mail.
  • Verifique se os links colocados no seu e-mail estão corretos e não estão na lista negra
  • Evite repetir os sinais típicos “!!!” várias vezes. ou “???”
  • Evite usar figuras no início do objeto, como “-80% em todos …”
  • Favorecer imagens em JPEG
  • E isso é apenas parte de tudo o que você precisa para ter cuidado, para não acabar na caixa de spam. Sim, mesmo tendo sido solicitado pelo assinante.

6 dicas para chamar a atenção dos seus leitores com certeza

Escrever uma linha de assunto eficaz é extremamente importante para seus seguidores verem suas postagens. Se o foco da sua campanha for ruim, sua taxa de abertura será baixa e sua campanha ganhará pouco lucro.

como fazer um e-mail marketing

Aqui estão as dicas para escrever um objeto impactante:

  • Coloque um plano de ação “Descubra … rapidamente antes que seja tarde demais!”
  • Personalize a linha de assunto do seu e-mail e inclua passagens em primeira pessoa “[NOME], tenho uma surpresa para você!” , “Eu pensei em você quando”
  • Toque na curiosidade do leitor “Essas informações mudarão sua vida”, “Veja [NOME], é incrível!”
  • Geralmente, quanto menor o seu objeto, mais impacto ele terá. “Aconteceu”, “É incrível!”
  • Coloque o nome do destinatário na linha de assunto do e-mail para chamar sua atenção. “[NAME], você não esperava isso, esperava?”
  • Comece pelo assunto do e-mail marketing…. Se for bem-sucedido, seus clientes em potencial o abrirão para ver o que você deve dizer a eles e mostrá-los. E aí estão alguns dos mais delicados …. Como agora que o seu cliente em potencial abriu o e-mail, ele terá que se sentir interessado do começo ao fim para acabar pressionado a agir. Sim, teremos que converter esse possível cliente em potencial.
como fazer um e-mail marketing

Algumas dicas básicas de como fazer e-mail marketing!

  • Simplicidade: faça com que seus e-mails pareçam o mais simples possível
  • Evite cores muito brilhantes: elas reduzem a legibilidade do seu e-mail
  • Design responsivo: planeje para o seu site que seus e-mails sejam facilmente legíveis e agradáveis ​​de ler no celular.
  • Teste A / B: realize testes regulares para melhorar o desempenho dos seus e-mails
  • Cancelar inscrição: é importante colocar uma opção de cancelamento de fácil acesso (mas não muito), pois é melhor para o possível cliente cancelar a inscrição do que colocá-lo na caixa de spam.
  • Benefícios: mostre a ele os benefícios que ele obterá se ele continuar seu e-mail e acessar o link desejado. Faça com que ele sinta desejo pelo seu produto, serviço, evento.
  • ÚNICA meta: você deve ter apenas uma meta por e-mail. Não tente vender 2 produtos e 1 serviço em um e-mail. Seu cliente em potencial não saberá para onde se virar e acabará deixando seu e-mail sem levar nada. Além disso, você certamente será menos convincente, porque não teremos um ponto fixo.
  • Personalização: personalize seu e-mail e fale de maneira clara, conversacional e relevante. Você prefere ler um texto puramente publicitário ou um texto que parece ter sido endereçado a você pessoalmente?
  • Apelo à ação: pense em levar seu possível candidato a ação para que ele tome uma ação e se torne um cliente
  • Assinatura de e-mail: em e-mails pessoais diretos, aproveite sua assinatura de e-mail para atrair seus clientes em potencial para seu site ou seu e-book para aumentar seu tráfego e, quem sabe, sua taxa de conversão! Aqui estão algumas dicas que ajudarão você a criar ótimos e-mails e aumentar seus lucros através do e-mail marketing.

Tudo isso, aliado aos bons conhecimentos de marketing podem garantir que seu retorno seja um sucesso!

Gostou? Compartilhe conosco a sua opinião!

marketing de afiliados

Marketing de Afiliados: O que você precisa saber para ter sucesso?

Marketing de Afiliados: O que você precisa saber para ter sucesso?

 

O marketing de afiliados pode ser uma oportunidade de negócio real, se você deseja maximizar sua renda. É também conhecido como mercado de afiliados, e implica que um afiliado promova seus produtos ou serviços, ganhando uma comissão quando um indivíduo atingir uma meta por meio desse anúncio.

 

Esta é uma cadeia de vendas. Para ilustrar essa estratégia, digamos que uma empresa X ofereça um vendedor Y (uma plataforma afiliada, uma empresa ou um indivíduo isolado) para vender seus produtos ou serviços. Quando um indivíduo faz um contato ou uma compra com o link de afiliado da empresa Y, a empresa recebe uma comissão.

marketing de afiliados

Como funciona o Marketing de Afiliados?

Essa estratégia de marketing de afiliados é lucrativa para a empresa X, que aproveita o público-alvo do afiliado para vender seus produtos ou serviços, enquanto o afiliado recebe uma comissão.

 

Para esse fim, o marketing de afiliados pode ser pensado como o processo de disseminar a criação e o marketing de produtos através de diferentes partes, onde cada parte recebe uma parcela da receita de acordo com sua contribuição. É aqui que o afiliado tentará, portanto, atrair e convencer os clientes em potencial do valor do produto do comerciante, para que eles atinjam uma meta.

 

O marketing de afiliados é, portanto, uma estratégia baseada na relação entre:

 

  • O comerciante, que também podemos chamar de criador, vendedor ou varejista. É essa parte que cria e vende o produto. Pode ser uma Startup, uma PME (pequena ou média empresa) ou uma grande empresa;
  • O afiliado, ou seja, o anunciante, pode ser uma empresa afiliada ou um indivíduo, como um influenciador de mídia social, por exemplo;
  • O consumidor, ou seja, o cliente que permite o bom funcionamento dessa estratégia de afiliados;
  • O custo da rede afiliada é geralmente incluído no preço do produto, o que significa que o consumidor não pagará mais do que se essa estratégia não tivesse sido implementada.

Como fazer parte do Marketing de Afiliados e ter sucesso?

Se você deseja implementar uma estratégia de marketing de afiliados, são necessárias várias etapas para garantir que seja relevante.

marketing de afiliados

Estabeleça a estratégia

O primeiro passo é encontrar o produto ou serviço que você deseja promover e saber qual público-alvo. Pergunte a você mesmo as seguintes questões:

 

  • Quais são os assuntos que me fascinam?
  • O público-alvo deste produto ou serviço é grande?
  • Qual é o nível de competição nessa área?
  • Existem programas afiliados para esta área?

 

Em seguida, defina seu público, crie a identidade visual da sua marca e pense em como você se comunicará em suas diferentes plataformas.

 

Seja qual for o nicho em que você deseja operar, verifique se o afiliado permanece genuíno, isso incentivará as pessoas a se envolverem com sua marca. Lembre-se de que ninguém gosta de receber spam. Se seu afiliado publicar conteúdo apenas para ganhar uma comissão, os usuários da Internet descobrirão rapidamente e não terão interesse em suas postagens.

Escolhe o programa de afiliados

Em seguida, você precisará encontrar uma rede de afiliados e estabelecer um acompanhamento real entre o afiliado e o comprador para saber a quem pagar a comissão. Essa rastreabilidade é realizada usando software on-line ou um módulo adicionado ao seu site.

Analise seus resultados

Estabelecer o orçamento que você está disposto a investir na sua estratégia de marketing em ordem para atrair tráfego para seu site. Em seguida, você precisará calcular conversões e comissões para determinar onde concentrar seus esforços.

 

Para fazer isso, você pode usar as várias ferramentas do pacote do Google, como o Google Analytics ou o Google Ads , ou até o Facebook Ads, se praticar publicidade nas redes sociais.

Escolha seus meios de comunicação

Em quais sites você promoverá esses produtos?

 

  • Sites de mídia: a mídia geralmente possui uma grande rede de sites, portanto você alcançará um grande público.
  • Sites de comparação de produtos ou serviços: esses sites monetizam o afiliado classificando produtos e serviços.
  • Influenciadores e micro-influenciadores: esses players de marketing, geralmente especializados em um nicho de acordo com suas áreas de interesse (moda, esporte ou culinária, por exemplo) apresentam seus produtos ao público e os promovem.
  • Anunciantes que praticam publicidade on-line pagam: esses afiliados usam publicidade paga, seja nos mecanismos de pesquisa ou nas redes sociais para promover seus produtos.

 

Todas essas abordagens têm suas vantagens e desvantagens, sendo algumas mais adequadas a determinados nichos do que outras. Por exemplo, se você vende relógios e seu público-alvo é jovem e feminino, apele aos influenciadores no Instagram pode ser uma estratégia muito relevante, pois grande parte desse público usa essa rede social.

marketing de afiliados

Marketing de Afiliados: Tipos

A estratégia de marketing de afiliados conta com vários métodos de pagamento:

 

  • O custo por clique,
  • O custo por lead,
  • O custo por venda,
  • O custo por visualização,
  • O custo por link,
  • O custo por registro e muito mais.

Custo por venda

Com o modelo Custo por venda, o vendedor paga uma comissão quando um usuário da Internet faz uma compra, graças à publicidade on-line criada pelo anunciante. Esse é o método de pagamento mais utilizado nas estratégias de marketing de afiliados.

Custo por clique

Com o modelo de custo por clique (CPC), também conhecido pelo termo em inglês custo por clique (CPC), o vendedor paga uma comissão ao afiliado quando um usuário da Internet clica em um de seus anúncios que o redireciona para o site. Web do fornecedor. Por exemplo, o usuário da Internet clicou em um anúncio do Google Ads ou Facebook Ads, configurado pelo anunciante.

Custo por lead

Com o modelo Cost Per Lead, conhecido em particular pelo termo inglês Cost Per Lead, o vendedor paga uma comissão ao vendedor assim que um usuário da Internet entra em contato com a empresa vendedora por qualquer meio previamente definido graças ao afiliado. Esse lead pode ser uma solicitação de cotação, uma ligação ou uma assinatura de boletim informativo, por exemplo.

Conclusão

Como todas as estratégias de marketing, o marketing de afiliados exige tempo, dinheiro e, o mais importante, conhecimento de marketing e publicidade on-line. Mas com dedicação e disciplina, o sucesso vem, com certeza!

9 fatores rankeamento google

Os nove fatores de rankeamento do Google

Os nove fatores de rankeamento do Google

Já conhece os nove fatores de rankeamento do Google? Existem mais de 200 fatores de classificação de SEO que ajudam os mecanismos de pesquisa a determinar quais sites devem aparecer nos resultados de pesquisa e como devem ser classificados.

 

Se você deseja que seu site reivindique os melhores lugares nas SERPs (páginas de resultados dos mecanismos de pesquisa), você precisa otimizar sua presença on-line para levar esses fatores em consideração.

 

A boa notícia é que nem todos os 200 fatores de classificação são criados iguais. Alguns fatores de classificação são mais importantes que outros. Ao planejar sua estratégia de SEO, preste muita atenção a esses 9 fatores que têm maior impacto no ranking.

9 fatores rankeamento google

 

Antes de se aprofundar nos principais fatores de classificação de SEO, é importante observar que esses fatores podem e irão mudar.

9 fatores de rankeamento do Google

Os algoritmos de SEO e classificação do Google estão mudando constantemente. Alguns fatores se tornam mais ou menos importantes e outros são introduzidos ou removidos.

 

É importante manter-se a par dos últimos fatores de rankeamento do Google e usar regularmente uma ferramenta de auditoria de SEO para analisar seu site e garantir que você esteja seguindo as melhores práticas atuais de SEO.

 

Agora, vamos dar uma olhada em como melhorar as classificações de SEO otimizando sua presença on-line para usar 9 fatores importantes de classificação de SEO.

 

  • Segurança do site
  • Habilidade
  • Compatibilidade com dispositivos móveis
  • Velocidade de carregamento da página
  • Engajamento do usuário
  • Conteúdo de alta qualidade
  • O alvo certo
  • Conteúdo otimizado

9 fatores rankeamento google

1. Segurança do site

Já em 2014, o Google mencionou a segurança do site como um fator de classificação. É um dos fatores mais importantes do rankeamento do Google nesta lista. A segurança do site se refere ao uso da criptografia HTTPS. Sites com criptografia HTTPS possuem certificados SSL que criam uma conexão segura entre um site e seus usuários. Ele adiciona uma camada adicional de segurança que protege as informações trocadas entre os usuários e o site.

 

Os mecanismos de pesquisa desejam direcionar os usuários para os sites mais confiáveis, e a criptografia HTTPS informa que um site é seguro. Se o URL do site começar com HTTP, não HTTPS, seu site não é seguro e você deverá adicionar um certificado SSL.

2. Capacidade

Os mecanismos de pesquisa não podem classificar um site se não o encontrarem. É por isso que rastrear o site é um fator de classificação de SEO tão importante. A opção de rastreamento permite que os mecanismos de pesquisa analisem um site e revisem seu conteúdo, para que possam determinar o que é a página e sua classificação.

 

Se você deseja que o Google classifique seu site, permita que os mecanismos de pesquisa o rastreiem corretamente.

 

Envie um mapa do site para os principais mecanismos de pesquisa.

 

Verifique o status do seu índice no console de pesquisa do Google para descobrir o número de páginas rastreadas pelo Google no seu site.

 

Use o arquivo robots.txt corretamente para informar aos mecanismos de pesquisa quais páginas acessar e quais páginas ignorar.

9 fatores rankeamento google

3. Facilidade de uso no celular

A usabilidade móvel refere-se à aparência e ao desempenho de um site quando alguém o exibe em um dispositivo móvel. Sites compatíveis com dispositivos móveis oferecem uma boa experiência do usuário usando um design responsivo que ajusta o conteúdo para ter uma boa aparência, independentemente do tamanho da tela.

 

Como são feitas mais pesquisas em dispositivos móveis do que em computadores de mesa (52,2% do tráfego da Internet vem de dispositivos móveis e seu número está aumentando), a usabilidade de dispositivos móveis é importante para ambos. mecanismos de pesquisa apenas para usuários.

 

Para descobrir se seu site é responsivo, envie-o para o teste de compatibilidade com dispositivos móveis do Google. Ele relatará qualquer problema com a versão móvel do seu site.

4. Velocidade de carregamento da página

Outro fator de classificação de SEO relacionado à experiência do usuário é a velocidade de carregamento da página. Sites de carregamento lento oferecem uma experiência ruim ao usuário.

 

Os mecanismos de pesquisa sabem que os usuários desejam encontrar as respostas o mais rápido possível.

 

Portanto, eles preferem exibir sites que carregam rapidamente para os usuários. Isso é ainda mais verdadeiro para sites para celular, pois o Google anunciou que sua atualização rápida tornará a velocidade de carregamento um fator de classificação nas pesquisas para celular.

 

Para garantir que seu site seja carregado rapidamente, use um verificador de velocidade do site. Experimente a ferramenta de análise de velocidade da Alexa, que faz parte da nossa abrangente ferramenta de auditoria do site ou do Google PageSpeed ​​Insights.

9 fatores rankeamento google

Se o site estiver lento, acelere-o implementando o cache do site, compactando arquivos, reduzindo o número de redirecionamentos e tomando outras medidas para acelerar o tempo de carregamento.

5. Engajamento do usuário

Os mecanismos de pesquisa recorrem aos usuários para ajudá-los a determinar quais páginas promover nas classificações de pesquisa. Eles estudam como os usuários interagem com os resultados para determinar quais páginas são melhores e mais úteis para os pesquisadores.

 

Para fazer isso, o Google usa uma ferramenta de inteligência artificial chamada RankBrain. Os fatores de envolvimento do usuário incluem:

 

Taxa de cliques (CTR): porcentagem de pessoas que clicam no resultado de um mecanismo de pesquisa quando lhes são apresentadas.

 

Tempo no site: o tempo que uma pessoa passa em uma página depois de encontrá-la por meio de uma pesquisa

 

Taxa de rejeição: a porcentagem de pessoas que saem rapidamente após visualizar uma única página em um site encontrado por meio de pesquisa

 

Esses indicadores ajudam os mecanismos de pesquisa a determinar se um resultado de pesquisa é valioso para os usuários. Otimize o conteúdo do seu site e extratos de pesquisa para fortalecer o envolvimento do usuário.

 

  • Use gráficos e sites de alta qualidade.
  • Use uma arquitetura de site isolada, natural e fácil de seguir.
  • Use links internos para ajudar os usuários a navegar no seu site com facilidade.
  • Use as metatags de SEO para criar títulos e descrições atraentes para os snippets de resultados de pesquisa.
  • Otimize seu conteúdo para trechos apresentados na pesquisa.

 

6. Conteúdo de alta qualidade

Outra maneira de aumentar o envolvimento do usuário em seu site e atrair os mecanismos de pesquisa é postar regularmente conteúdo de alta qualidade em seu site. O conteúdo é um dos fatores mais importantes no ranking de SEO.

 

Os mecanismos de pesquisa desejam fornecer os melhores resultados possíveis. Assim, eles atribuem a melhor classificação aos sites cujo conteúdo é bem documentado, detalhado e bem projetado.

 

O novo conteúdo atrai rastreadores de pesquisa e aumenta a visibilidade da pesquisa, fornecendo a você algo valioso para compartilhar com seu público, tornando-o uma estratégia ganha-ganha para suas estratégias de marketing.

 

Comece usando o mapeamento de conteúdo para definir um plano para o seu site, que inclui a criação de páginas de destino e o conteúdo contínuo do blog.

9 fatores rankeamento google

7. Palavras-chave corretas

Não entre na criação de conteúdo. Crie conteúdo estrategicamente, fazendo uma pesquisa por palavra-chave para informar quais palavras-chave devem ser segmentadas e quais tópicos devem ser abordados.

 

A pesquisa de palavras-chave é o processo de identificação de palavras-chave populares que podem direcionar tráfego para seu site.

 

Determine como o Google classifica as palavras-chave para ajudar você a escolher as melhores palavras-chave para o seu conteúdo.

 

Segmente palavras-chave de cauda longa. À medida que a pesquisa por voz se torna mais popular, mais e mais pessoas procuram frases e perguntas longas. Use esse tipo de pesquisa procurando por palavras-chave de cauda longa (palavras-chave de três palavras ou mais), além de palavras-chave genéricas mais curtas para segmentar em seu conteúdo.

 

Entenda a intenção de pesquisar por palavra-chave. A intenção da pesquisa é o motivo pelo qual uma pessoa pesquisa (ou seja, porque deseja aprender, comprar ou navegar em alguma coisa). O Google melhora a classificação das páginas cujo conteúdo corresponde à intenção da palavra-chave. Portanto, certifique-se de entender como diferentes tipos de palavras-chave estão associados a diferentes tipos de conteúdo, em diferentes partes do funil de compras.

8. Conteúdo otimizado

Para atrair mecanismos de pesquisa para o seu conteúdo, você também precisa considerar os fatores de SEO na página. A referência na página consiste em otimizar cada página do seu site de acordo com uma palavra-chave de destino. Ao otimizar seu conteúdo para uma palavra-chave específica, você informa aos mecanismos de pesquisa o conteúdo da página e sua classificação.

 

Atribua uma palavra-chave exclusiva a cada página do seu site. (Nunca atribua a mesma palavra-chave a várias páginas do seu site, pois isso pode arriscar confundir os mecanismos de pesquisa e causar a canibalização de palavras-chave). Em seguida, otimize o conteúdo para as melhores práticas de SEO na página.

9. Dados estruturados

Outra maneira de dizer aos mecanismos de pesquisa o que é uma página da Web (para classificá-la de acordo) é usar dados estruturados.

 

Dados estruturados, ou marcação de esquema, são microdados adicionados ao back-end de uma página da web que informa aos mecanismos de pesquisa como classificar e interpretar o conteúdo (por exemplo, identificar um endereço comercial, um título de livro, uma receita ou um outro tipo de informação).

 

Essas informações foram úteis? Compartilhe conosco a sua opinião!

LGPD

Atendimento Personalizado Grátis

Você acha caro implantar atendimento personalizado em seu site ?

Você sabia que é possível implantar um atendimento personalizado com um chat do WhatsApp, Messenger, Telegram, Viber, Snapchat, LINE, Vkontakte, SMS (mobile), Call ou mesmo E-mail em sua página de seu site WordPress gratuitamente?

Que maravilha isso, não é mesmo?

Quando você está navegando em algum site, com qual frequência você tem a opção de realmente conversar ao vivo com alguém do site?

O que encontramos muitas vezes, para ser mais preciso ou realista, são os inúmeros 0800, se você estiver ligando de uma localidade que não seja região metropolitana ou mesmo a Capital de seu estado, porque caso contrário você terá de pagar por uma ligação ou em alguns casos entrar em contato através do Televendas.

O que você acha disso? Eu diria que isso é bem frustrante…

Hoje em dia ninguém quer ficar esperando 10 minutos para falar com o Suporte de sua empresa ou com o vendedor. Com certeza as mensagens instantâneas são as preferidas, quando essa opção existe num atendimento personalizado…o consumidor quer tudo para “ontem” e estar sempre conectado. Isso é um fato!

Hoje em dia, atendimento ao cliente é muito mais do que tirar suas dúvidas ou resolver seus problemas. Isso é o mínimo que se espera de uma empresa séria…

Não é mesmo ?

Ainda existem empresas que se vangloriam por fornecer serviços de qualidade, sem perceber que isso é uma obrigação e não um “plus”…

Será que ficar esperando ao telefone, por tempo indeterminado, para ser atendido, pode ser considerado um serviço de qualidade???

Sem contar com o “ vamos transferir a sua ligação”, pois ficar sendo “jogado “ de um lado para o outro, sem resolver o problema inicial, o qual começou todo o tormento em busca da solução, é uma verdadeira perda de tempo e chatice…

Sabe do que o consumidor gosta ?

O consumidor gosta de ser ouvido, e quem não gosta? E quanto mais canais você tiver para que ele se sinta confortável em conversar com a empresa, melhor para ele, que com certeza demonstrará essa satisfação privilegiando a empresa que lhe ouve e trata bem.

A nossa sociedade atual é imediatista e o melhor que uma empresa pode fazer é respeitar o tempo das pessoas.

A tendência agora e, principalmente, depois da pandemia, são as pessoas se habituarem mais e mais com soluções online.

Empresas “jurássicas” que não conseguem se comunicar com seus clientes de maneira ágil, dificilmente conseguirão manter seus clientes satisfeitos.

Qual o cliente que não gosta de ser bem tratado?

Agindo dessa maneira sua empresa terá muito mais chances de ser recomendada, amada e respeitada.

Creio que depois disso tudo que foi dito, a pergunta que fica é:

Devo instalar um chat em meu site WordPress?  Sim, faz todo o sentido.

Principalmente se você….

  1. Quer converter mais visitantes em leads;
  2. Usar um novo canal para se envolver com clientes em potencial que buscam respostas ativamente e que possam avaliar o seu produto;
  3. Qualificar o seu lead, fazendo perguntas de qualificação diretamente.

Mãos à obra:

Existem inúmeras soluções de chats no mercado atualmente e cada uma com sua relação custo-benefício própria.

Mas implantar uma solução de atendimento personalizada com custo inicial ZERO é um ótimo atrativo para qualquer negócio.

Focarei numa solução chamada de GetButton, que atualmente enquanto escrevo esse artigo, está sendo usada em 125.117 sites.

Veremos etapa por etapa como criar um chat em seu site e o que você precisa levar em consideração para aumentar os seus leads.

Etapas:

  • Entre no site getbutton.io;
  • Existem 10 opções de comunicações;
  • Na versão gratuita é possível escolher somente 2 opções:

atendimento personalizado

Em nosso exemplo, escolhi o Messenger e o WhatsApp.

A identificação de sua Página do Facebook pode ser encontrada na aba “Sobre” do lado esquerdo de sua Página, conforme figura abaixo:

atendimento personalizado

  • A próxima etapa é configurar seu CTA (Call To Action), a cor do ícone que aparecerá em seu site e sua posição, esquerda ou direita. As outras opções: nome da empresa e mensagem de saudação são funções da versão Pro.

atendimento personalizado

  • Seguimos para a próxima tela, onde só existem funções da versão Pro.

atendimento personalizado

  • Chegamos a penúltima tela, onde devemos colocar algum e-mail para o qual será enviado uma cópia do código para ser colocado em seu site:

atendimento personalizado

  • E finalmente chegamos a última tela, onde será mostrado uma cópia do código enviado para o e-mail que você selecionou. Esse código deverá ser colocado antes da tag </body> do seu site:

atendimento personalizado

  • O meu compromisso firmado com vocês foi cumprido. Ou seja, de mostrar ser possível implantar um atendimento personalizado com chat em seu site WordPress gratuitamente.

Poderia finalizar esse artigo por aqui, mas…não consigo parar de me questionar …e quem não sabe colocar o código em seu site?

Bom existem basicamente 2 maneiras de fazer isso: instalando algum plugin em seu site WordPress e, a maneira que acho ser a mais profissional que existe, por meio do Google Tag Manager.

Mas o que é o Google Tag Manager?

Como o próprio nome diz é um Gerenciador de Tags do Google.Com ele é possível instalar praticamente qualquer código em seu site. Por exemplo: Google Analitycs, Pixel do Facebook, Pixel de Remarketing e o nosso atendimento customizado com chat falado nesse artigo.

A explicação sobre o funcionamento do Google Tag Manager e sua instalação merece ser tema de outro artigo. Portanto , para aqueles que sabem usar o GTM , deixarei abaixo o código que deve ser instalado em HTML personalizado para que possa funcionar perfeitamente.

atendimento personalizado

 

Bom, apesar de achar que a maneira mais profissional de instalar o código seja por meio do Google Tag Manager, mostrarei a sua instalação por meio de plugins.

Somente um alerta…evite instalar plugins em sua instalação WordPress para que ele não apresente nenhum tipo de instabilidades ou mesmo lentidão.

Será preciso instalar o plugin Head,Footer and Post Injections de Stefano Lissa.

atendimento personalizado

 

Com o plugin instalado, acesse-o em Configurações >Header and Footer

atendimento personalizado

 

Instale o código em ON EVERY PAGE (todas as páginas) ou ONLY ON THE HOME PAGE (somente na página principal), conforme sua estratégia de marketing.

atendimento personalizado

 

Pronto! O seu atendimento personalizado utilizando chat está instalado em seu site.

A instalação de um chat pode aumentar drasticamente suas vendas e seus números de leads, claro que inserido apropriadamente dentro de uma estratégia bem elaborada.

Boa sorte na criação de seu atendimento personalizado! Tenho certeza de que será uma ferramenta importante e que ajudará seu site a crescer.

 

Um abraço!

Luiz Albuquerque

o que é um blog

O que é um blog? Tudo o que você precisa saber!

Você sabe o que é um BLOG?

Muitos usuários da Internet conhecem a palavra sem conseguir defini-la.

Você já ouviu falar que para fazer sucesso precisa ter um BLOG?

E que no mercado existem inúmeras maneiras de fazer um BLOG apenas com alguns passos?

E que de uma maneira bem rápida seu BLOG está no ar.…, mas e depois?

Você pode estar se perguntando: mas eu preciso realmente de um BLOG? A resposta é depende.

“Se eu tenho muitos seguidores em minhas redes sociais, eu preciso de um BLOG?”

A resposta continua a mesma…

Vários clientes me perguntam se faz sentido nos dias atuais ter um BLOG e se isso não seria uma coisa do passado quando aconteceu uma moda de blogueiros.

Eu realmente entendo esse questionamento visto que é muito mais prático trabalhar somente com o INSTAGRAM, por ser a rede social do momento (o TIKTOK atualmente está no mesmo estágio do INSTAGRAM a um tempo atrás, fiquem espertos!), juntamente com FACEBOOK.

Ficou curioso?

Neste artigo você irá aprender o que é um BLOG e o que é necessário para que ele seja visto pelas pessoas.

Mas o que é um BLOG?

O que é um blog

O que é um BLOG exatamente? Muitos dirão que “é um site sobre um assunto definido” ou “é um cara que conta a vida e é seguido por usuários da Internet”. Essas respostas estão corretas e, ao mesmo tempo, imprecisas. Vamos ver o que a Wikipédia tem a nos dizer:

“Esse tipo de site oferece publicações periódicas e regulares de artigos frequentemente pessoais. Esses artigos geralmente tratam de um tema ou estilo de escrita comum (garantindo a lealdade do leitor).

No estilo de um diário, estes artigos ou ‘notas’ são tipicamente datadas, assinadas e têm sucesso em uma ordem anti-cronológica. ”

Em resumo, um BLOG é uma série de artigos (geralmente baseados em um tema específico) atualizados regularmente.

Os diferentes tipos de BLOG.

Agora que respondemos à pergunta “sobre o que é um BLOG?”, vamos ver quais tipos diferentes encontramos na internet.

  • O que é um BLOG pessoal?

Primeiro tipo de BLOG citado por usuários da Internet. Eles podem falar sobre tudo… e nada. O nada é quando falam de assuntos variados sem se aprofundar em nenhum. Assim, alguns contam sua viagem pelos países do mundo enquanto outros falam sobre suas preocupações com a classificação de meias.

  • O que é um BLOG informativo?

Em um campo completamente diferente, os BLOGS informativos possibilitam construir, ao longo do tempo, uma excelente fonte de informações sobre um assunto ou tema definido.

Geralmente mais completos que outros sites excessivamente generalistas, os BLOGS informativos são uma ótima maneira de reunir uma comunidade de entusiastas, por exemplo.

Seja em videogames, esportes, culinária ou até mesmo grandes promoções, existem BLOGS cada vez mais informativos na internet todos os dias.

  • O que é um BLOG de lojas?

No campo das vendas, os BLOGS não são uma exceção à regra: qualquer tipo de método pode ser eficaz. Para entender o que é um BLOG, saiba que alguns deles funcionam como vitrines virtuais, com atualizações frequentes, é claro.

Um pouco menos numerosos do que os outros tipos de BLOG, eles mostraram uma eficiência inegável, levando muitas marcas a vender seus produtos através da Internet.

Exemplo de alguns tipos de BLOGS de sucesso.

  • BLOGS de moda

Sem dúvida, um dos mais populares são os BLOGS que tratam de assuntos de moda ou maquiagem. Frequentemente gerenciados por entusiastas do campo, eles oferecem aos leitores dicas dignas dos maiores esteticistas ou estilistas.

  • BLOGS de notícias

Outro tipo de BLOG de sucesso, oferecem uma concentração de informações sobre tópicos relacionados ao burburinho da Internet. Como uma celebridade, uma imprensa sensacionalista ou séria de notícias mais recentes e em evidencia, eles atraem milhões de leitores todos os dias.

  • BLOGS de “bons negócios”

A Internet torna possível o dinheiro real, e é isso que muitos donos de BLOGS entenderam. Portanto, é natural que milhares de BLOGS operem a todo vapor para fornecer aos leitores muitos métodos para criações de bons negócios.

Confiabilidade.

o que é um blog

O BLOG é uma excelente oportunidade de criação de relacionamento investindo em confiabilidade com demais internautas. Além disso, promove o desenvolvimento da sua própria autoconfiança. Ao longo dos artigos, você adquire facilidade, ajuda as pessoas… o que poderia ser mais gratificante?

Os BLOGS também podem gerar a permissão de que você confie em outras pessoas através do que elas já viveram ou estudaram, a partir da inspiração. Antes de gerar um conteúdo técnico e escrita para a internet, trata-se de uma experiência de desenvolvimento pessoal.

Se, por um acaso, você for um expert na sua área, o BLOG também é um modo de refletir sobre os valores agregados aquilo que você faz e como pode solucionar problemas! E é o discurso comercial que mais gera sucesso!

As suas vendas sempre acontecerão se puder ouvir os problemas dos clientes e fornecer algum tipo de solução, ao invés de promover elogios aos seus próprios produtos ou atividades.

Abaixo listarei algumas razões porque mesmo nos dias atuais é muito importante usarmos um BLOG.

  • O BLOG pode ser evergreen.

Em relação as redes sócias em que o seu conteúdo se perde em alguns minutos, em um BLOG ele estará lá e terá ainda mais valor com o passar do tempo, utilizando as técnicas corretas de SEO.

Sendo que fora desse contexto de comparação com as redes sociais, um conteúdo evergreen, é um conteúdo atemporal, pois se mantêm relevante durante muito tempo após a sua publicação.

  • Você pode centralizar todos os seus canais de comunicação em seu BLOG.

 

Com a cooperação entre canais sociais e BLOG é possível torna-lo a central no qual todo o seu conteúdo é otimizado de maneira diferente nas diversas redes sociais.

  • Você no controle de tudo.

o que é um blog

Em seu BLOG é você quem controla tudo com total liberdade, seja ele profissional ou pessoal, o que mudar, quanto mudar e porque mudar algo de acordo com sua estratégia de conteúdo, você estará plantando em seu quintal.

Isso já não ocorre nas redes sociais, pois nelas você é controlado pelos algoritmos, pelas decisões de outras pessoas e como elas querem mostrar seu conteúdo, você estará plantando no quintal do vizinho.

Para contextualizar melhor o que estou falando, vou recorda-lhes que um tempo atrás o FACEBOOK mudou o seu algoritmo onde o alcance orgânico caiu muito, e mais recentemente o INSTAGRAM também alterou seu algoritmo fazendo com que somente uma parte bem menor de seguidores , comparados com o que ocorria no passado possam ver suas postagens.

E essas mudanças nem sempre ajudam os usuários, coisa que não acontece em seu BLOG no qual você decidirá que mudanças devem ocorrer e garantirá que aqueles que o leem continuem a fazê-lo e talvez até o façam novamente.

  •  O tempo de atenção no BLOG é maior e o leitor fica mais atento.

O tempo de atenção, o limiar de atenção nas mídias sociais, é muito baixo, diz-se em torno de 15 segundos, enquanto um bom conteúdo em um BLOG ou qualquer outra plataforma que permita a escrita e a argumentação de pensamentos requer uma forma diferente, uma propensão a despertar um maior interesse.

O motivo é simples: a leitura exige um estudo aprofundado e quem procura mais informações está disposto a ler sobre o conteúdo, a fim de encontrar as respostas que procura.

Tudo aponta para o benefício de quem gerencia um BLOG, desde que seja consistente.

Com as razões citadas acima não é certo afirmar que o BLOG está ultrapassado ou mesmo que nos dias atuais não possui utilidade nos afastando das redes sociais. As duas coisas se complementam, precisam uma da outra, sempre lembrando o que priorizar de acordo com a sua estratégia.

A mídia social ajuda no posicionamento orgânico.

O que é um blog

Definitivamente as mídias sócias não são um fator de ranqueamento para o Google, mas várias análises mostraram que o compartilhamento social e os sinais ajudam o conteúdo a se posicionar melhor nos mecanismos de busca.

A mídia social ajuda na construção de relacionamentos.

Sua empresa estar presente nas mídias sociais permitirá que você construa relacionamentos com outras pessoas e com empresas potencialmente interessadas em seus serviços e no que você oferece.

Então qual seria a solução? Você deveria se concentrar apenas no seu BLOG, esquecendo as mídias sociais? Ou o que?

Como falei no início desse texto, depende…não existe uma resposta definitiva, mas é bastante coerente e sensato assumir que as mídias sociais devem ser cultivadas estrategicamente, tendo em mente que juntamente com o BLOG o seu conteúdo terá um alcance muito maior do que os utilizando sozinhos.

Os dois são integrados e se apoiam, mas o futuro se baseia em conteúdo real a ser “explorado” a longo prazo que, graças às redes sociais, ganha vida e permite um relacionamento real com quem nos segue. Ou simplesmente, com quem procura uma resposta.

Definir o papel que a mídia social assume na estratégia do seu BLOG é crucial, mas isso é outra história…

Mas tenha sempre em mente que uma boa estratégia é necessária caso você queira construir uma estrutura que realmente atrairá seu público!

Tente fazer um conteúdo pertinente, escrevendo sobre um assunto que pode ser tratado a partir do ângulo de sua atividade. Não há necessidade de fazer uma tese sobre o assunto, mas simplesmente levantar um problema, uma pergunta, um ponto de vista diferente pode interessar ao leitor.

O Google adora novidades! Se seu assunto tocar nas notícias, elas serão consideradas interessantes pelos mecanismos de pesquisa. Se o seu ponto de vista é interessante ou pouco frequente, com palavras-chave relevantes, é provável que você seja lido por centenas ou mesmo milhares de pessoas!

Para ter uma audiência e links para seu site, o primeiro critério de popularidade dos mecanismos de pesquisa, seja ousado e escreva um artigo que você oferecerá aos sites que publicam.

Para ser publicado, você precisa escrever um artigo profissional.

Um link ou backlink adicional para o seu site é benéfico para o seu posicionamento em SEO. No entanto, esse link deve estar alinhado para que ele funcione.

O sucesso das páginas.

Para conhecer a frequência do site e o sucesso de suas páginas, é importante instalar a ferramenta Google Analytics. Você verificará a popularidade de suas páginas e a origem dos usuários da Internet. Com essas indicações, você poderá medir o impacto de cada palavra-chave correta

.
Suas páginas, seus artigos devem incluir várias palavras-chave correspondentes à temática.

Divulgue com moderação, sem exceção, essas palavras-chave em seus títulos, subtítulos e parágrafos. Seu posicionamento nessas palavras-chave será mais eficaz.

E falando outra vez de redes sociais…

o que é um blog

Podemos e devemos tirar proveito de todo o poder que as redes sociais nos dão, mas sem perder de vista a possibilidade de construção de um futuro distante.

As redes sociais têm um grande poder e permitem alcançar um grande número de pessoas interessadas no nosso conteúdo. Devido a sua facilidade de uso tornam as redes sociais o caminho perfeito para quem cria conteúdo hoje em dia.

As redes sociais são extremamente úteis mas devem ser utilizadas com outras estratégias de conteúdo. Dizer que elas são a estratégia perfeita seria o equivalente ao greenwashing, onde empresas maquiam os seus produtos e tentam passar a ideia de que eles são ambientalmente corretos.

Mas e aquelas pessoas que escrevem um artigo muito bom…mas que ninguém lê?

Você já deve ter ouvido falar sobre pessoas que escrevem superbem, com artigos superinteressantes, com informações supervaliosas, mas que ficam literalmente “as moscas “.

Os artigos delas não aparecem nem na terceira página do Google, e falando francamente, quem passa da primeira página de buscas do Google?

Como escrever corretamente um artigo? Que fique na primeira posição do Google?

o que é um blog

Ué ! Não é somente escrever o assunto que eu domino ?

Muitas pessoas podem falar: “mas eu não sei como escrever de maneira que as pessoas se sintam engajadas”.

Calma, eu te ajudarei, com algumas dicas que com certeza te ajudarão muito em seus próximos artigos.

O segredo está na introdução de seu artigo!

Se o leitor entrar em seu artigo e ao ler a introdução ficar, ou melhor, conseguir ficar conectado de alguma maneira, ele prosseguirá lendo para chegar até o final da leitura.

Por isso é muito importante que logo no início você prenda a atenção daquela pessoa.

Sabe aquela escrita corporativa, que parece que você está lendo um livro de filosofia?

Esqueça!

Isso não funciona na internet hoje em dia, principalmente na era mobile. Que as pessoas precisam ficam descendo as letras no celular porque elas estão muito juntinhas.

Então é muito importante você saber escrever de uma forma engajadora desde o primeiro parágrafo.

Para isso você precisará utilizar uma técnica chama de copywriting. Que é uma técnica de escrita usada basicamente para escrever de uma maneira que as pessoas queiram ler, de uma forma engajadora.

Extem várias formas de escrever utilizando o copywriting, mas demonstrarei uma que gosto muito e bastante utilizada, chamada de APP.

O método APP (AgreePromisePreview).

o que é um blog

Fonte: http://www.theoffbeatstory.com

 

Agree – que basicamente é você concordar com o problema que a pessoa está buscando.

Exemplo: logo no primeiro parágrafo você coloca uma frase concordando. Você deve concordar comigo, não é mesmo? Emagrecer não é fácil. Isso já vai prender a pessoa, que pensará “opa, realmente não é fácil”.

Promise – fazer uma promessa.

Exemplo: Eu sei bem, já passei por isso também. Antigamente eu pesava 180 kg e achava que o meu mundo ia acabar. Mas finalmente encontrei uma forma de emagrecer rapidamente que realmente funciona.

Preview – dar uma entrada do que você escreverá no artigo.

Exemplo: Você concordou que existe o problema, você fez a promessa, que existe uma forma de cura-lo e aí no preview você poderia colocar: neste artigo você irá aprender 15 etapas para emagrecer rapidamente utilizado pelos maiores personal trainer do mundo.

Para você se inspirar eu recomendo o site https://copyhackers.com .

Então procure sempre utilizar essa técnica na introdução de seus artigos porque isso pode mudar drasticamente seu posicionamento nas TOP 3 posições do Google, porque se o usuário clica em seu artigo e sai da página porque não gostou da introdução você com certeza não ficará estacionado numa posição, o Google te jogará para uma posição mais baixa ainda.

Mas se o usuário gostar de sua introdução ele irá voltar mesmo quer o seu conteúdo não seja bom.

Dicas finais para o seu BLOG.

o que é um blog

Evite repetições sistemáticas, use sinônimos. Lembre-se de que o usuário da Internet pode usar várias palavras para pesquisar.

Use o que é chamado de cauda longa, ou seja, todos os termos secundários que podem concluir uma consulta simples.

A cauda longa constitui todos os pedidos de 2, 3, 4, 5 palavras ou até mais e representa mais de 70% das pesquisas na web!

Portanto, melhore sua taxa de conversão desta maneira: quanto mais precisa a palavra-chave, mais ela corresponderá ao seu artigo ou página e mais visitantes você terá.

Em relação ao SEO, existem centenas de maneiras de dizer isso!

A única regra: você deve se orgulhar do que escreveu! Use infográficos, fotos e vídeos.

Lembre-se, sempre, de manter o seu leitor próximo a você e publique conteúdo que tenha relevância, que seja interessante! Não esqueça do seu público.

E se você gostou dessas informações, não deixe de compartilhá-las!

 

Isolamento Forçado

Marketing digital em tempos de isolamento .

10 maneiras de adaptar seu marketing em tempos de isolamento forçado.

Creio que todos concordam que essas duas semanas de isolamento forçado foram bastantes agitadas, por conta do coronavírus.

Por conta disso, estamos enfrentando nesses dias, uma nova realidade, nos adaptando e procurando nos ajustar a maneira como vivemos e trabalhamos, caminhando na linha entre precaução e pânico.

Infelizmente as tensões aumentam conforme o número de casos de coronavírus crescem, relatados nas notícias , sem contarmos com as fake news.

Diante dessa situação, nós estocamos mantimentos, assegurando com isso que nossos entes queridos estejam seguros e revisamos todas as nossas rotinas diárias.

Seguimos todas as diretrizes do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e esperamos com isso, contribuir para que tudo passe o mais rápido possível.

E justamente nesse ponto que medos inteiramente novos tomam conta de nós.

De preocupações com a saúde e distanciamento social à ansiedade financeira.

E infelizmente, como se todas essas preocupações com a saúde não fossem suficientes, agora temos que lutar contra problemas econômicos.

O mercado de ações está despencando.
As pessoas estão perdendo seus empregos.
Nesse cenário atual, uma recessão futura, é quase certa.
Mas como podemos nos adaptarmos a isso?

Como seres humanos, nosso primeiro impulso é nos proteger de qualquer inimigo iminente, e de imediato pensamos em reduzir drasticamente todos os custos, incluindo nosso orçamento de marketing, nos preparando para o pior.

Mas esse é o ponto…para onde ir? O que fazer?

Tenho uma notícia para você: agora é o pior momento de parar o seu marketing.

Mas a questão é, de que maneira fazer isso?

Nesta postagem, você aprenderá 10 maneiras para se manter conectado com seus clientes em potencial, mesmo nesses dias de distanciamento social.

Logo a primeira questão que surge é em relação aos cortes.
Cortar custos ou investir em marketing?

É perfeitamente aceitável qualquer pensamento no sentido de economizar custos cortando seu orçamento de marketing.

Mas não faça isso!

Ao reduzir os seus gastos com marketing, os seus ganhos de rentabilidade serão temporários. Isso, porque, quando esta crise acabar, os estragos da recessão serão agravados pela redução da conscientização da sua marca e do enfraquecimento do relacionamento, engajamento com os clientes.

Nesses tempos difíceis, se você criar e manter sua marca, após tudo passar terá se posicionado como uma presença confiável e tranquilizadora em seu setor.

Isso porque à medida que outras marcas diminuem seus esforços de marketing, você pode se destacar e melhorar sua vantagem competitiva investindo sabiamente nas táticas certas.

Tempos diferentes exigem medidas diferentes.
Quando se trata de marketing e geração de leads, você provavelmente tem sua estratégia preferida.

Mas a triste verdade é que suas abordagens testadas e validadas podem não funcionar hoje, por pelo menos duas razões:

Distanciamento social significa que nossas opções de entrada não estão mais disponíveis como antes ,para nós.

Pense em conferências, apresentações pessoais e até almoços de clientes, para citar alguns.

Suas mensagens e táticas de persuasão podem soar mal com uma audiência consumida pelo medo e pela apreensão

Não estamos num ambiente de obaoba!

Para vender algo, a alguém em um funeral, com certeza é preciso muita estratégia (bota estratégia nisso). Infelizmente essa é a estratégia (mindset) que você precisa adotar agora neste ambiente de coronavírus de ansiedade e tristeza.

Trata-se de ajudar, mostrar compaixão sincera e construir relacionamentos que durarão muito além de qualquer pandemia.

Precisamos encontrar maneiras de conectar e criar confiança com nossa audiência, apesar do distanciamento social.

O caminho mais óbvio é substituir as reuniões presenciais por teleconferência.

Mas:
Se todo mundo fizer teleconferência, como você se destacará?
As videoconferências são suficientes para criar uma conexão real e criar confiança?
Você pode explicar ideias complicadas com a mesma eficácia em uma videoconferência?
Felizmente, você não precisa confiar apenas em teleconferência (ou em qualquer outra tática).

Em vez disso, use as ideias abaixo e crie um portfólio de táticas de marketing.

1. Use o vídeo
Nunca houve um momento melhor para usar o vídeo para se aproximar de seus leads e clientes do que neste período de distanciamento social. Quando se trata de vídeo, estamos acostumados a uma abordagem um para muitos: produzimos um vídeo e o compartilhamos em geral em nossos sites e mídias sociais para todos verem.
Mas você também pode usar o vídeo para facilitar trocas pessoais individuais.
Por exemplo:
Envie um vídeo pessoal para se apresentar a um cliente em potencial.
Dê aos clientes em potencial uma demonstração rápida do produto.
Envie a novos clientes ou assinantes uma recepção personalizada e um vídeo de agradecimento.

Aborde novos clientes com um vídeo personalizado.
Forneça suporte ao cliente claro e personalizado.

2. Use vídeos animados
Como os vídeos tradicionais, os vídeos animados podem ser eficazes para compartilhar suas ideias remotamente. E é por isso que elas são uma tática poderosa para superar os desafios do distanciamento social.

3. Reaproveite suas apresentações
Você tem backups de apresentação de suas reuniões de vendas?
Talvez você não possa apresentá-los pessoalmente, mas isso não significa que você não possa exibi-los on-line ou adaptá-los de outras formas criativas.
Por exemplo, você pode:

Publica-los no SlideShare, que agora tem mais de 80 milhões de usuários.
Salve seus melhores slides como imagens e compartilhe-os em seus canais sociais.
Exporte-os como vídeos.
Reinvente-os como infográficos.
Converta partes delas em GIFs animados.
Transforme-os em apresentações de slides online, usando uma ferramenta como o Slidely.

4. Crie infográficos
Infográficos bem projetados oferecem um toque de inteligência e beleza, facilitando a digestão de dados complexos. Se você possui dados para compartilhar com seu público-alvo, mas não pode oferecer explicações, tente criar um infográfico impactante e usá-lo como substituto para:

Envio por e-mail para seus assinantes, leads e clientes.
Publique no seu site juntamente para obter backlinks.
Compartilhe nas mídias sociais para aumentar seus compromissos.
Um infográfico pode aumentar sua credibilidade e ajudar a posicioná-lo como uma autoridade em seu espaço.

5. Revisite seu site
Deveríamos continuamente aperfeiçoar nossos sites, mesmo em circunstâncias normais. Isso é especialmente verdade no meio de uma crise que abalou o mundo. Dê uma olhada no seu site para garantir que ele não esteja em desacordo com o clima geral.

Por exemplo:

As mensagens ainda estão no ponto?

Em seguida, revise seu site para garantir que ele  comunique claramente:

Quem sua marca ajuda.
Que problema você resolve.
Como você está posicionado de maneira única para resolver esse problema.
Como seria trabalhar com você.
Adicionar boosters de confiança.

O distanciamento social torna mais difícil ganhar confiança.

Quando os clientes em potencial visitam seu site, verifique se eles encontram muitas evidências de que você pode confiar.

Considere adicionar boosters de confiança como:

Uma lista de clientes com quem você trabalhou.
Depoimentos.
Distinções e prêmios recentes.

Quaisquer garantias que você oferece.

6. Atualize sua pesquisa de palavras-chave
Uma crise como a que estamos enfrentando pode ter um impacto no que as pessoas compram e nas respostas que procuram em seus caminhos de compra.

Aqui estão apenas algumas perguntas que você deve se fazer:

  • Existe um novo tipo de cliente que você possa ajudar durante esta crise de saúde pública ou durante uma recessão?
  • Seus clientes têm novos problemas que você pode resolver?
  • Existe uma maneira diferente de usar seu produto ou serviço que seria ideal nessas circunstâncias?
  • Existe algo sobre sua marca ou sua oferta que o torna particularmente adequado para ajudar os clientes durante esses tempos difíceis?

Com essas respostas em mente, pense em quem é seu cliente ideal e em quais perguntas ele faz em todas as etapas da jornada do comprador.
Então:

  • Verifique se você tem o melhor conteúdo para responder a essas perguntas.
  • Identifique as palavras-chave que você deve segmentar para cada estágio da jornada.

7. Crie conteúdo incrível para o seu blog

Conteúdo de alta qualidade sempre deve ser uma prioridade.
Quando você estiver criando um novo conteúdo, considere o clima global de estresse e medo. Que significa:

  • Concentre-se em ajudar as pessoas, não em vender.
  • Seja uma fonte confiável de informação e inspiração.
  • Seja generoso com recursos gratuitos para ajudar sua comunidade.
  • E seja genuíno em suas ofertas de ajuda. Não tente disfarçar os esforços de marketing que servem a si mesmos como atos de generosidade.

Aviso aos profissionais de marketing: existe uma linha tênue entre fazer algo que ajuda os outros e fazer algo puramente oportunista, uma maneira de tirar proveito do medo. As pessoas não são bobas e percebem quando existe alguma má intenção. Não faça esse tipo de marketing, por favor.

8. Seja mais ativo nas mídias sociais

É sempre uma boa ideia estar presente nas mídias sociais. Em tempos de crise, é essencial e, provavelmente, uma das maneiras mais fáceis de se manter em mente, apesar do distanciamento social.

Se você seguir algumas das dicas acima, terá um novo conteúdo incrível para compartilhar nas redes sociais, como postagens em blogs, infográficos, vídeos e outros recursos visuais.

9. Foco nos clientes existentes
Se você está tendo dificuldades para adquirir novos clientes, ainda há mais motivos para dobrar o que deveria estar fazendo: enfoque o aprofundamento de seus relacionamentos com os clientes existentes.

Aqui estão apenas alguns exemplos do que você pode fazer:

  • Peça aos seus clientes um feedback sobre o que você pode fazer melhor e aja de acordo.
  • Compartilhe conteúdo útil que possa beneficiá-los.

10. Anuncie
Historicamente, as recessões geralmente levam a uma queda nos gastos com anúncios.
Mas há boas razões para investir em publicidade durante a crise.

Aqui estão alguns:

  • A publicidade pode gerar renda mais imediata (embora com um ROI menor que o de entrada).
  • À medida que seus concorrentes recuarem na publicidade, haverá menos ruído no mercado e você terá uma chance maior de se destacar.
  • Uma demanda de publicidade mais fraca pode reduzir custos e tornar sua campanha mais acessível.

Manter o compartilhamento da mente em tempos difíceis pode posicioná-lo como uma presença estabilizadora.

Espero que algumas dessas dicas o ajudem a descobrir como você pode adaptar seus métodos de marketing a esse período surreal de distanciamento social e ao impacto resultante em nossa economia.